Reprodução
Reprodução

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Especialistas questionam identificação de tumba de irmão de Alexandre Magno

Ocupantes da tumba de Vergina seriam na verdade Filipe II de Macedônia e sua mulher, Cleópatra

estadão.com.br, estadão.com.br

10 de setembro de 2010 | 16h37

Uma tumba descoberta em 1977 em Vergina, na Grécia, revelou diversos tesouros e dois esqueletos humanos, um homem e uma mulher, em caixões de ouro. Ambos os corpos haviam sido cremados, e acredita-se que fossem o rei da Macedônia Filipe Arrhidaios, meio-irmão de Alexandre Magno, e sua mulher, Eurídice. Agora, pesquisadores britânicos afirmam que é mais provável que os corpos sejam de Filipe II da Macedônia, pai de Alexandre, e de sua mulher Cleópatra.

 

O médico Jonathan Musgrave, do Centro de Anatomia Comparativa e Clínica da Universidade de Bristol, argumenta que as evidências dos vestígios não são consistentes com os registros históricos da vida, morte e sepultamento de Arrhidaios.

 

O crânio masculino parece ter curado uma fratura na maçã direita do rosto. A história registra de Filipe II perdeu o olho direito no cerco de Metona, em 355 a.C., um ferimento consistente com o dano no osso.

 

A cor das linhas da fratura sugere ainda que o corpo foi cremado ainda com a carne nos ossos, e não após decomposição. Arrhidaios  foi assassinado em 317 a.C., e algumas fontes indicam que seus restos foram enterrados e, depois, exumados meses mais tarde. No entanto, a presença de uma pira crematória na tumba indica que ambos os corpos foram cremados em Vergina.

 

O relato histórico da morte de Arrhidaios indica que ele foi sepultado juntamente com a mulher e a sogra, Kynna. No entnato, a tumba contém apenas dois indivíduos. Os restos feminimos são de uma mulher que morreu entre os 20 e 30 anos, enquanto que Eurídice teria morrido adolescente.

 

Musgrave diz que o objetivo do artigo escrito por ele e seus colegas é menos reforçar a hipótese de que a tumba seria de Filipe II, e mais apontar as inconsistências no caso de Arrhidaios. A análise aparece no International Journal of Medical Sciences.

Tudo o que sabemos sobre:
arqueologiaalexandre magnomacedônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.