Divulgação/Secretaria Estadual de Segurança Pública do Espírito Santo
Divulgação/Secretaria Estadual de Segurança Pública do Espírito Santo

Espírito Santo instala barreiras sanitárias na Grande Vitória

O objetivo da ação é aferir a temperatura de motoristas e passageiros de carros, caminhões e ônibus

Matheus Brum, especial para O Estado

24 de abril de 2020 | 09h52

VITÓRIA - Seis barreiras sanitárias foram montadas na principais vias de acesso à Grande Vitória, no Espírito Santo. Os pontos de abordagens estão localizados em Vila Velha (ES-060, em Ponta da Fruta), Serra (no posto da Polícia Rodoviária Federal na BR-101 e na ES-010, em Nova Almeida), Viana (no posto da PRF, na BR-101) e em Alfredo Chaves (na BR-262 e na BR-101). O objetivo da ação, segundo o governador Renato Casagrande (PSB), é ajudar na orientação e na verificação do estado de saúde de motoristas e passageiros que passam pelas principais rodovias que cortam o Estado.

"Isso pode nos ajudar muito a identificar mais cedo se estamos com alguma virose ou não, nos isolarmos e, ao mesmo tempo, ir vigiando também e monitorando outras pessoas da nossa família e da nossa região", explicou o governador em um pronunciamento transmitido pela Internet.

No primeiro dia de fiscalização, que foi nesta quinta-feira, 23, foram abordadas 9.414 pessoas, 1.998 carros e motos, 1.596 veículos de carga e 106 ônibus. Estão trabalhando nas barreiras sanitárias militares do Exército, do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, PRF e agentes do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), das secretarias estadual e municipais de saúde e das respectivas guardas municipais.

Na abordagem, os fiscalizadores aferem a temperatura dos motoristas e passageiros de carros, caminhões e ônibus. Também é feito um questionário, perguntando quais locais estas pessoas frequentaram recentemente. Se algum ocupante estiver vindo de uma cidade com casos confirmados da covid-19, mais perguntas são feitas para saber se a pessoa teve algum sintoma da doença, como febre e gripe.

Se os agentes perceberem algum caso suspeito, a pessoa é orientada e ficar em isolamento por 14 dias. Se durante o questionário for relatado falta de ar e os agentes confirmarem febre alta, uma ambulância do Samu é acionada para levar a pessoa para um hospital de referência do Estado. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (Sesp), nenhuma pessoa, até agora, foi encaminhada para hospital.

"Vamos ter todo mundo trabalhando, na direção de orientar as pessoas, de medir a temperatura, de encaminhar as pessoas que precisam ser encaminhadas para unidades de saúde. É hora da gente trabalhar, das equipes de saúde da família identificarem as pessoas que estão com a contaminação ou suspeitas de estarem contagiadas, e isolarem e acompanharem essas pessoas, para que elas não causem a infecção de mais ninguém, que não transmitam o vírus para mais ninguém", complementou o governador.

As barreiras irão funcionar das 7h às 19h, todos os dias, e não há prazo para terminar. Segundo o governador, estas pontos de fiscalização foram escolhidas por serem nas cidades do Estado que mais têm casos confirmados da covid-19. Além destas barreiras, o Estado têm equipes fiscalizando motoristas que passam pelas divisas do Espírito Santo com a Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Situação do coronavírus no Espírito Santo 

No painel divulgado no site da Secretária Estadual de Saúde (Sesa), o Espírito Santo tem 1.453 casos confirmados da covid-19. 43 mortes já foram registradas no Estado e 370 pacientes foram curados. Vila Velha lidera o ranking com maior número de pessoas infectadas com a doença, 381. Na sequência vem Serra, com 333; Vitória, 312, e Cariacica com 139. Ao todo, mais de oito mil pessoas foram testadas no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.