Humberto Pradeira/PSB
Humberto Pradeira/PSB

Hotel é interditado no ES após suspeita de infecção de hóspedes pela variante indiana

Hóspedes vindos da Índia apresentaram sintomas de covid-19 e um dos viajantes já teve o resultado confirmado para a doença. Análise da cepa será feita pela Fiocruz

Daniel Reis, especial para o Estadão

28 de maio de 2021 | 18h29
Atualizado 28 de maio de 2021 | 18h52

A Secretaria de Saúde do Espírito Santo está monitorando três hóspedes vindos da Índia que apresentaram sintomas da covid-19 e podem estar infectados pela variante indiana. Um dos viajantes já recebeu o resultado positivo para covid-19 nesta sexta-feira, 28, e agora aguarda a análise da Fiocruz para identificar a possível infecção pela nova cepa. O hotel em que eles estão, em Vitória, foi interditado pelo governo.

Segundo o governo do Espírito Santo, o Estado solicitou prioridade à Fiocruz e espera que no prazo de cinco dias possam dar a resposta sobre a variante que infectou o hóspede da Índia.

Em pronunciamento, o Governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, afirmou que o governo do Estado decidiu interditar o hotel para evitar uma eventual propagação da variante. "Nós estamos fazendo a gestão de alguns passageiros que vieram da Índia e com suspeita de estarem contagiados com Covid-19. Um já está confirmado. O que estamos verificando agora é se essa pessoa tem a variante indiana ou não. O governo do Estado, junto com o município, já isolou o hotel onde essas pessoas estão. Estamos identificando e contatando quem essas pessoas tiveram contato para fazer todo o isolamento e evitar qualquer contágio com a variante indiana", afirmou Casagrande.

Além disso, de acordo com o subsecretário de Estado de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, as 94 pessoas que estavam no hotel - 52 adultos e cinco crianças hospedados e 37 funcionários – farão o teste RT-PCR para identificar a presença do vírus. Se der positivo, o material irá para a Fiocruz, que fará a análise e confirmará a existência de uma variante e qual seria ela.

"Acho que todos aqui acompanham a preocupação mundial com essa variante do vírus, da possibilidade de causar grandes surtos nos países onde ele se instala. O hotel não recebe mais clientes, ninguém mais o acessa, tinha evento previsto que já foi cancelado e as pessoas que estão hospedadas só vão sair depois de autorização das autoridades sanitárias ali presentes", reforçou Reblin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.