Efe/Brian Choo
Efe/Brian Choo

Esqueleto do maior dinossauro com penas é encontrado na China

Animal pesava mais de uma tonelada; plumas serviam como isolante térmico

Efe,

04 de abril de 2012 | 14h55

 Três esqueletos encontrados na China revelaram que o maior dinossauro com penas pesava mais de uma tonelada, era menor que seu parente Tiranossauro Rex e viveu no Cretáceo inferior, informa a revista "Nature".

Os ossos, encontrados na província de Liaoning (nordeste da China), pertenceram a um adulto e duas crias, de uma espécie prima dos grandes tiranossauros, que uma equipe de cientistas chineses e canadenses batizaram como "Yutyrannus huali" ("belo tirano com plumas", em uma mistura de latim e mandarim).

Os paleontólogos sabem há mais de uma década que alguns pequenos dinossauros tiveram penas parecidas com as dos pássaros graças ao achado de vários fósseis naquela região da China, mas a descoberta anunciada hoje indica que houve pelo menos uma espécie grande que também possuía.

Estima-se que as duas crias pesavam cerca de meia tonelada, enquanto que o adulto chegou a pesar 1.400 quilos e nove metros de comprimento, dimensões que o tornam o maior animal com penas conhecido, vivo ou extinto.

Seu tamanho era "consideravelmente menor" que o do seu primo próximo, o Tiranossauro Rex, mas quarenta vezes maior que o maior dinossauro com penas encontrado até aqui.

O Yutyrannus estava longe de ter plumagem como a das aves atuais, suas penas eram "simples filamentos e se pareciam mais com as de um pintinho moderno do que com as de uma ave adulta", detalhou Xu Xing, líder do trabalho, pesquisador do Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de

Vertebrados de Pequim.

Os especialistas consideram que as penas tinham uma função de isolante, já que sua escassez e o grande tamanho do dinossauro descartam totalmente a possibilidade de que pudesse voar.

O achado dos esqueletos é importante porque respalda a teoria de que as penas primitivas puderam servir como isolante em vez de para voar.

À diferença de seu parente, o Tiranossauro Rex, que viveu em uma época cálida, o Yutyrannus existiu em meados do Cretáceo inferior,período que compreendido entre 145 milhões de anos a 98 milhões, no qual as temperaturas baixaram e as penas devem ter servido para protegê-los do frio.

A descoberta "aumenta consideravelmente o leque de dinossauros com penas dos que há provas. É possível que as penas tenha sido muito mais comuns do que os cientistas têm pensado até poucos anos atrás, pelo menos entre os dinossauros carnívoros", acrescentou Xu.

Ainda que o Yutyrannus compartilhe várias características com os tiranossauros mais recentes, ele também conserva traços dos mais primitivos, como três dedos nas extremidades anteriores e a forma do crânio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.