Reuters
Reuters

Estado do Rio registra mais de 15 mil casos de chikungunya

Dez pessoas morreram por causa da infecção; doença pode levar a dores crônicas e até incapacidadee de realizar atividades corriqueiras

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

24 Novembro 2016 | 19h51

RIO - Dez pessoas morreram em decorrência da febre chikungunya no Rio de Janeiro ao longo do ano, informa o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde. Até 16 de novembro, foram notificados 15.149 casos da doença no Estado. O boletim mostra que houve uma explosão de casos da doença. Em 2015, foram registrados 105 casos de chikungunya e nenhuma morte.

"A chikungunya é uma grande preocupação, porque ela manteve sua força de transmissão desde o ano passado. E tem também o fator de que a população está toda suscetível", afirmou o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe.

Segundo ele, o maior grupo de risco para a doença é formado por pessoas mais velhas, com doenças crônicas. Diabéticos, hipertensos, doentes renais e hepáticos, por exemplo, podem ter sua doença principal agravada em função da febre, também transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.

"As pessoas mais idosas, com doenças crônicas, podem ter descompensação do seu quadro de saúde, o que pode levar ao óbito. Mas também ocorrem mortes em função da ação direta do vírus, que pode provocar meningite ou meningoencefalite", afirmou o subsecretário.

Chieppe informa que as mortes da doença se concentraram na capital, onde também foi registrado o número maior de casos da doença. De acordo com o boletim epidemiológico, o número de notificações da chikungunya vem apresentando "queda gradativa" desde 24 de abril. 

O Ministério da Saúde informou que o crescimento dos casos da febre chikungunya é uma tendência em todo o País. O número de casos aumentou quase dez vezes em 2016 em relação a 2015 - passaram de 26.435 casos para 251.051. O Ministério da Saúde registrou 138 casos de mortes em todo o País. O dado ainda não leva em conta o número atualizado de óbitos do Rio de Janeiro. Até então, o Estado havia registrado cinco mortes.

Sintomas. A febre chikungunya se manifesta em até 12 dias depois da picada do mosquito. Os principais sintomas são as dores intensas nas articulações e febre (mais baixa do que a da dengue). Essas dores, em casos mais graves, podem se tornar incapacitantes, impedindo o paciente de andar. E pode persistir por meses até que o infectado pelo vírus se recupere totalmente. 

 

Mais conteúdo sobre:
Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.