Nasa/Handout/Reuters
Nasa/Handout/Reuters

Estudantes americanos batizam sondas gêmeas que estudam a Lua

Naves da missão GRAIL, que têm como função proporcionar imagens em raios X da crosta e do núcleo do satélite natural da Terra, agora se chamam "Ebb" e "Flow"

Efe,

17 de janeiro de 2012 | 20h16

As naves gêmeas da missão GRAIL enviadas à Lua para estudar seu campo gravitacional a partir desta terça-feira, 17, foram batizadas de "Ebb" e "Flow", segundo anunciou a agência espacial americana (Nasa), que os escolheu entre os nomes apresentados por estudantes de todo o país.

As naves gêmeas que chegaram à órbita da Lua no dia 1º de janeiro eram chamadas até agora simplesmente de "A" e "B", mas graças aos estudantes primários da Escola Emily Dickinson da cidade de Bozeman terão nome próprio.

A proposta dos 28 alunos da professora Nina DiMauro foi selecionada entre as mais de 890 criadas por 11 mil estudantes recebidas pela Nasa, que abriu um concurso em nível nacional no último mês de outubro.

Maria Zuber, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e a principal pesquisadora da missão GRAIL (Recuperação da Gravidade e Laboratório Interior, na sigla em inglês), avaliou a criatividade dos estudantes e afirmou que os nomes "Ebb" e "Flow" captam a essência da missão.

Como prêmio, as crianças poderão escolher para onde querem que aponte uma das câmeras que estão a bordo destes artefatos para estudar a superfície lunar.

Esta não é a primeira vez que a Nasa envolve crianças em uma tarefa semelhante com o objetivo de despertar seu interesse pela ciência.

Em 2003, Sofi Collins, aluna do terceiro grau de uma escola de Scottsdale, no Arizona, batizou com os nomes de "Spirit" e "Opportunity" os robôs exploradores enviados a Marte, em um concurso do qual participaram dez mil crianças de todo o país.

Lançadas em setembro de 2011, as duas sondas da missão GRAIL têm como missão proporcionar imagens em raios X da crosta e do núcleo da Lua, para ajudar a conhecer melhor a estrutura que está sob a superfície do satélite.

Tudo o que sabemos sobre:
Luasondas gêmeasbatismoCiênciaVida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.