Estudo alerta sobre riscos na adolescência de crianças acima do peso

Menores entre 9 e 12 anos com IMC alto têm mais chance de hipertensão, colesterol e diabete

Efe

26 Novembro 2010 | 18h31

LONDRES - Crianças que apresentam um elevado índice de massa corporal entre 9 e 12 anos de idade têm mais risco de hipertensão, colesterol e níveis de insulina altos (que pode levar à diabete tipo 2) ao chegar à adolescência, segundo estudo publicado na revista científica British Medical Journal.

Felizmente, destacam os autores, os menores que se encaixam nesse perfil, mas perdem peso ao chegar à adolescência, diminuem o risco. Por isso, os casos mais graves se referem a doenças vasculares daqueles que continuam com sobrepeso ao longo dos anos.

Embora já se soubesse que a obesidade na infância e na adolescência aumenta a probabilidade de problemas cardiovasculares na idade adulta, esse é a primeira pesquisa a investigar a relação entre a circunferência da cintura na faixa etária de 9 a 12 anos e os riscos cardíacos entre adolescentes de 15 e 16 anos.

Ao todo, 5.235 crianças participaram do levantamento, dirigido pela professora Debbie Lawlor, da Universidade de Bristol (sudoeste da Inglaterra), que também integrou um estudo mais amplo, responsável por acompanhar o histórico médico de mais de 14 mil crianças desde o nascimento.

"Nosso trabalho enfatiza a necessidade de diminuir, de modo geral, a adiposidade [gordura] nas crianças, desenvolvendo intervenções que reduzam o peso de modo seguro e melhorem os fatores de risco cardiovascular nos menores obesos", afirmam os autores.

Mais conteúdo sobre:
sobrepesoobesidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.