Estudo em ratos traz esperança para cura da diabetes tipo 1

Coquetel de drogas retomou produção de insulina e células destruídas no pâncreas.

Da BBC Brasil, BBC

28 de fevereiro de 2008 | 06h10

Um experimento conduzido por pesquisadores americanos em ratos com diabetes tipo 1 conseguiu livrá-los da doença, abrindo caminho para uma possível cura para mal.A diabetes tipo 1 é uma doença auto-imune caracterizada pela destruição das células beta no pâncreas, responsáveis pela produção de insulina.Inicialmente, os ratos receberam um coquetel com três medicamentos que levou o pâncreas a retomar a produção da insulina, normalizando o nível de glicose no sangue em mais de 90% dos roedores.Os pesquisadores da Universidade de Harvard observaram, no entanto, que as drogas haviam conseguido interromper o processo de destruição das células, mas não as regeneraram.Na segunda fase do estudo, publicado pela revista New Scientist, os especialistas acrescentaram um quarto ingrediente ao coquetel de medicamentos, a enzima alfa-antitripsina, provocando o reaparecimento das células beta.TransplanteO coordenador do estudo, Tery Strom, acredita que a enzima deve ter amenizado a inflamação no pâncreas, que leva à destruição das células e à interrupção na produção de insulina."Ao que nos parece, alterando o estado inflamatório do pâncreas foi possível criar um meio que possibilita a expansão das células beta", disse Strom.O especialista disse que ainda era muito cedo para saber se as células beta destruídas haviam sido regeneradas ou se o pâncreas estava produzindo novas células.A diabetes tipo 1 é tratada por meio de injeções de insulina que devem ser aplicadas pelo paciente regularmente.Segundo os pesquisadores, as pesquisas sobre a doença vinham se concentrando até agora no transplante de células beta de doadores vivos ou mortos.A técnica, no entanto, não vem se demonstrando muito eficaz, já que não é grande a oferta de doadores e o transplantado deve tomar medicamentos imunossupressores para o resto da vida.Os pesquisadores americanos esperam agora poder repetir os testes realizados nos ratos em humanos.A pesquisa foi apresentada durante um encontro numa conferência internacional sobre imunoterapia e imunossupressão em Berlim, na Alemanha.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.