Estudo genético permite testar a história e a origem da família

Os cientistas analisaram o DNA de mais de mil pessoas de 51 grupos étnicos

EFE, EFE

17 Novembro 2010 | 18h36

ntistas da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, desenvolveram um teste genético que revela a procedência dos ancestrais e as características das comunidades há milhares de anos.

 

Veja também:

documento Genomic Runs of Homozygosity Record Population History and Consanguinity

 

Em um trabalho publicado nesta quarta-feira pela Public Library of Science ONE (PLoS ONE), os cientistas afirmaram que o teste permite identificar se nossos antepassados procederam de uma comunidade pequena ou grande e cosmopolita, ou se viviam em grupos isolados.

 

Através do estudo também é possível descobrir se os pais de uma pessoa ou se seus ancestrais tinham algum tipo de vínculo familiar como, por exemplo, se procediam de uma comunidade na qual o casamento entre primos-irmãos era comum.

 

Os pesquisadores anunciaram que a descoberta permitirá identificar comunidades com riscos de doenças genéticas, como a fibrose cística e a distrofia muscular.

 

O pesquisador Jim Wilson ressaltou o valor histórico do estudo, que poderá traçar as migrações das populações.

 

"É como um arquivo escrito em código genético, de modo que podemos entender a maneira como nossas povoações se desenvolveram num passado distante", afirmou.

 

Os cientistas analisaram o DNA de mais de mil pessoas de 51 grupos étnicos, incluindo comunidades amazônicas, europeias e das ilhas do Pacífico, e identificaram as que herdaram cópias idênticas de material genético de seus genitores.

A condição se chama "homozigose" e indica que o pai e a mãe do indivíduo têm um antepassado comum.

 

As provas permitiram constatar que a população nativa da América do Sul tinha a porcentagem mais alta de DNA compartilhado, o que sugere que essas comunidades foram pequenas e viveram isoladas durante muitas gerações.

 

Por outro lado, as comunidades africanas apresentaram o menor grau de semelhança genética, o que sugere que foram povoações que sofreram mais transformações ao longo dos anos.

 

"Se um indivíduo recebe pedaços de DNA que são idênticos entre a mãe e o pai, isso demonstra que os pais são parentes próximos", disse Wilson.

De acordo com o pesquisador, "em algum ponto no passado, todos fomos aparentados".

Mais conteúdo sobre:
genética ancestralidade dna

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.