Estudo: hepatite B pode aumentar risco de câncer de pâncreas

Cientistas afirmam que pesquisas mais aprofundadas precisam ser feitas para relacionar as doenças

Efe,

30 de setembro de 2008 | 01h57

A exposição ao vírus da hepatite B pode aumentar o risco de câncer de pâncreas, revelou um estudo divulgado nesta segunda-feira, 29, pela revista Journal of Clinical Oncology. Segundo cientistas do Centro Oncológico M.D. Anderson, da Universidade do Texas, esse estudo determinou que nos controles de saúde foi detectado que a infecção com o vírus da hepatite foi o dobro do comum nas pessoas com câncer de pâncreas. No entanto, os cientistas advertiram de que é necessário fazer estudos mais profundos antes de estabelecer com precisão a relação entre o vírus e o câncer. "Se esta descoberta puder ser confirmada com outros estudos (...), o risco poderia se modificar mediante tratamento e até uma vacina", indicou Manal Hassan, professor do Centro Oncológico. Em sua pesquisa com 879 pessoas, determinou-se que a exposição à hepatite B foi encontrada em 7,6% dos pacientes com câncer de pâncreas. Esse número é comparado com apenas 3,2% nos indivíduos de controle. Acredita-se que o vírus da hepatite B cause uma inflamação ou danos ao DNA no pâncreas, o que acrescentaria o perigo de que o câncer se manifeste. Os cientistas disseram que o maior risco se manteve até serem considerados outros fatores, como o consumo de tabaco.

Tudo o que sabemos sobre:
hepatite Bcâncer de pâncreas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.