Estudo indica que radiação de celular afeta cérebro de fetos de rato

Trata-se da primeira prova experimental de que exposição altera comportamento de adultos, dizem autores

Efe,

15 de março de 2012 | 19h00

 O aumento das desordens de comportamento infantil pode ser provocado em parte pela exposição do feto às radiações de telefones celulares durante a gravidez, segundo um estudo da Universidade de Yale publicado nesta quinta-feira, 15, pela revista "Nature Scientific Reports".

"Essa é a primeira prova experimental de que a exposição fetal à radiação da radiofrequência dos celulares afeta de fato o comportamento dos adultos", explicou o professor Hugh Taylor, do departamento de Obstetrícia, Ginecologia e Ciências Reprodutivas dessa universidade e um dos autores do estudo realizado com ratos.

"A pesquisa demonstrou que problemas de comportamento nos ratos similares ao transtorno por deficit de atenção com hiperatividade (TDAH) são causados pela exposição aos telefones celulares no ventre materno", explicou o cientista.

Taylor indicou que embora seja necessário fazer testes com humanos para estabelecer os limites de exposição seguros durante a gravidez, os resultados demonstram que "limitar a exposição do feto parece ser uma necessidade".

O TDAH é um transtorno neurológico do comportamento caracterizado por uma distração que pode ser de moderada a grave, hiperatividade e condutas impulsivas, cuja presença é detectada nas crianças antes dos 7 anos e que afeta sua atividade social e acadêmica.

Taylor e os demais cientistas de sua equipe submeteram ratas grávidas à radiação de um celular no modo silencioso, mas ativado por uma ligação durante a duração do teste e compararam seus resultados com os de um grupo mantido sob as mesmas condições, mas com o telefone desativado.

A equipe mediu a atividade elétrica cerebral dos ratos adultos que foram expostos à radiação em estado fetal e fez uma série de testes psicológicos e de comportamento.

Os cientistas comprovaram que esses ratos tendiam a ser mais hiperativos e mostravam uma maior ansiedade e menor capacidade de memória, um efeito atribuído às mudanças sofridas durante a gravidez no desenvolvimento dos neurônios da crosta pré-frontal de seu cérebro, responsável pelos processos de tomada de decisões e do comportamento social.

Segundo o principal autor do estudo, Tamir Aldad, serão necessários novos experimentos com humanos ou primatas não humanos para determinar se os riscos potenciais são similares, já que a gestação nas ratas dura apenas 19 dias e os ratos nascem com cérebros menos desenvolvidos do que os dos bebês humanos.

Tudo o que sabemos sobre:
radiaçãocelularcérebroratos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.