Brian D. Horne/Wildlife Conservation Society
Brian D. Horne/Wildlife Conservation Society

Estudo lista as 25 tartarugas mais ameaçadas

Algumas espécies têm menos de cinco exemplares vivos em todo o mundo

estadão.com.br

23 Fevereiro 2011 | 11h46

Um relatório, da Wildlife Conservation Society (WCS) junto com a Turtle Conservation Coalition, listou as 25 espécies de tartaruga no mundo mais ameaçadas - algumas com menos de 5 exemplares.

 

Veja também:

 link Jornada transoceânica de tartarugas marinhas é revelada pela primeira vez

 link Cientistas arranjam 'namoradas' para tartaruga rara

 

Dizimadas pela caça ilegal, tanto para servir de comida como no comércio de animais de estimação, junto com a perda do habitat, muitas espécies de tartarugas se extinguirão na próxima década, a menos que medidas drásticas de conservação sejam tomadas de acordo com o relatório, que foi divulgado em um workshop regional organizado pela Wildlife Reserves Singapore e WCS. Dezessete das 25 espécies são encontradas na Ásia, três na América do Sul, três na África, uma na Austrália, e uma na América Central e México.

 

A lista inclui a "Solitário George"- a única tartaruga gigante remanescente da Ilha Abdington. Embora ainda haja discordância científica sobre se ela é uma espécie reconhecida ou uma subespécie de tartaruga de Galápagos, todos concordam que ela é a última de sua espécie. Outra espécie em perigo é a tartaruga gigante da casca mole de Yangtzé, com apenas quatro indivíduos conhecidos. Veterinários da Wildlife Conservation Society têm trabalhado com funcionários chineses e outros parceiros para criar os últimos pares conhecidos dessas tartarugas gigantes, que atualmente residem no Zoológico de Suzhou, na China.

 

A caça ilegal de tartarugas na Ásia, para alimentação, comércio e medicamentos tradicionais, é um problema singular, diz o relatório. "As tartarugas estão sendo caçados por toda a Ásia de forma insustentável", disse o coautor Brian D. Horne, da Wildlife Conservation Society. "Todas as espécies de tartaruga e cágado na Ásia estão sendo impactadas de alguma forma pelo tráfico internacional de tartarugas e produtos derivados. Em apenas um mercado em Dhaka, Bangladesh, vimos cerca de 100 mil tartarugas sendo massacradas para consumo durante um feriado religioso, e nós sabemos de pelo menos três outros mercados como este dentro da cidade."

 

Liz Bennett, vice-presidente do Programa de Espécies da WCS, disse: "Tartarugas são maravilhosamente adaptadas para se defenderem contra predadores ao esconderem-se em suas cascas, mas este mecanismo de defesa não funciona contra a caça humana organizada e em grande escala. O fato é que as tartarugas estão sendo retiradas de cada canto e recanto da Ásia e além."

 

O relatório diz que melhor aplicação das leis comerciais existentes, a proteção de hábitats e criação em cativeiro são as chaves para impedir que as espécies de tartarugas sejam extintas ao mesmo tempo em que reforçam as populações existentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.