Estudo mostra estímulo à produção de células regenerativas do fígado

Cientistas esperam que a longo prazo a descoberta contribua para reduzir espera por transplantes

Efe,

05 de março de 2012 | 18h00

 Cientistas da Universidade de Edimburgo, na Escócia, descobriram como aumentar a produção de um tipo de célula regenerativa localizada no fígado, o que pode auxiliar no tratamento de doenças hepáticas como a cirrose, segundo o último número da revista britânica "Nature".

Quando o fígado está doente produz muitas células do ducto biliar, mas não hepatócitos suficientes, outra classe de células que desintoxica este órgão e é responsável pela reparação de seu tecido danificado.

Segundo uma equipe médica do Centro de Medicina Regenerativa (CMR) da universidade, seria possível desenvolver um remédio que estimulasse a criação de hepatócitos ao invés das células do ducto biliar, o que ajudaria no tratamento de enfermidades como cirrose e hepatite crônica.

No estudo, os pesquisadores conseguiram aumentar a produção de hepatócitos ao alterar a expressão de alguns genes em células do fígado que se encontravam num período avançado de desenvolvimento.

Os cientistas esperam que a longo prazo a descoberta contribua para acelerar a espera para transplantes de fígado.

No Reino Unido, as doenças hepáticas são a quinta maior causa de morte e atualmente existem quinhentos pacientes à espera de transplante, contra trezentos de cinco anos atrás.

"Os transplantes de fígado salvaram incontáveis vidas ao longo dos anos, mas a longo prazo a demanda superará inevitavelmente a oferta deste órgão. É necessário nos concentramos no potencial regenerativo do corpo humano", afirmou o chefe do CMR, Rob Buckle.

Também participaram da pesquisa o Instituto Beatson de Pesquisa do Câncer, em Glasgow, e a Universidade Católica de Louvain, na Bélgica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.