Estudo mostra que golfinhos reproduzem sons enquanto repousam

Animais seriam capazes de recordar ruídos, o que abre novas questões sobre as faculdades intelectuais desses mamíferos

Efe,

01 de fevereiro de 2012 | 08h59

 Um estudo elaborado pelo Centro Nacional francês de Pesquisas Científicas (CNRS) revela que os sons que os golfinhos emitem durante a noite poderiam estar sendo produzidos durante o sonho e também reproduzindo o que foi escutado durante o dia, um fato que abre novas dúvidas sobre as faculdades intelectuais desses mamíferos.

Segundo o estudo, os golfinhos, reconhecidos por serem capaz de imitar os sons captados ao seu entorno, também são capazes de recordar esses mesmos ruídos e reproduzi-los posteriormente, em suas fases de repouso.

O estudo começou a ser desenvolvido depois que os pesquisadores observaram que alguns golfinhos de cativeiro emitiam durante a noite os mesmos sons que as baleias faziam em suas apresentações realizadas durante o dia.

Para os responsáveis pelo estudo, realizado pelo Grupo de Investigação de Etologia Animal e Humana, o surpreendente é que os golfinhos nunca emitiam estes sons durante suas atividades, somente de noite. Além de estarem sonhando, esses mamíferos poderiam estar "ensaiando suas próximas funções".

Os especialistas acrescentam que as apresentações ao público são fonte de fortes emoções para os golfinhos de cativeiro, já que eles aguardam os aplausos e as outras recompensas com os quais são acariciados.

Com a apuração deste fato, os especialistas podem considerar que "os golfinhos revivem durante a noite as emissões vogais que associam aos mesmos, assim como os humanos emitem todo tipo de sons enquanto sonham".

Desenvolvido ao longo de sete meses, entre 2008 e 2009, o estudo foi realizado em um parque de animais francês, com pesquisadores procedentes da Universidade de Rennes e do CNRS, e suas conclusões estão publicadas na revista "Frontiers in psychology".

Tudo o que sabemos sobre:
golfinhossons

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.