Ulrich Perrey/POOL/AFP
Ulrich Perrey/POOL/AFP

Estudo mostra que remdesivir tem benefício marginal em casos moderados de Covid-19

Remédio é usado para tratamento de pacientes hospitalizados com casos graves da doença

Deena Beasley, Reuters

21 de agosto de 2020 | 23h30

Pacientes de covid-19 moderadamente doentes viram seu estado melhorar após tomarem por cinco dias o remédio remdesivir, da Gilead Sciences Inc, mas um tratamento de 10 dias não mostrou benefícios e o remédio não encurtou significativamente as internações, de acordo com novos dados.

A análise com 600 pacientes, publicada nesta sexta-feira (21) pela publicação científica Journal of the American Medical Association, revelou que os pacientes moderadamente doentes tratados com o medicamento antiviral por até cinco dias tiveram uma probabilidade consideravelmente mais alta de melhora quando comparados àqueles que receberam um tratamento padronizado – mas  pesquisadores disseram que que a importância clínica do benefício é incerta.

Atualmente, o remdesivir é usado mediante autorização de emergência da Agência de Alimentos e Remédios dos Estados Unidos (FDA) para o tratamento de pacientes hospitalizados com casos graves de covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. No início deste mês, a Gilead registrou um pedido de aprovação total da FDA para o remédio. O remdesivir, que um teste com pacientes graves de covid-19 mostrou diminuir o tempo de recuperação hospitalar, está na linha de frente da batalha contra a pandemia.

A FDA também pode autorizar o uso do remédio para pacientes hospitalizados com sintomas moderados da covid-19, apesar dos novos dados, informou um alto executivo da empresa fabricante do remdesivir nesta sexta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.