Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

Cientistas do Chile recomendam 3ª dose da Coronavac para aumentar eficácia da vacina

Segundo pesquisadores que conduziram estudo sobre o imunizante, efeito do produto diminui após seis meses e teria proteção reduzida a um quarto contra variante Delta

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2021 | 22h56

SANTIAGO - Os líderes do ensaio clínico que tem testado a Coronavac na população do Chile recomendaram nesta quinta-feira, 15, a aplicação de uma terceira dose da vacina desenvolvida pela Sinovac contra a covid-19. De acordo com eles, os níveis de anticorpos gerados pelo imunizante foram baixos seis meses após a segunda aplicação. A Organização Mundial da Saúde (OMS), porém, já disse que faltam evidências científicas contra uma dose de reforço e se manifestou contrária a planos de governos e farmacêuticas nesse sentido.

Os pesquisadores disseram ainda que um ensaio in vitro para determinar a eficácia da Coronavac contra a variante Delta, identificada originalmente na Índia, apontou que ela tem um quarto da eficácia na neutralização contra a nova cepa. Antes, um estudo conduzido por cientistas da China havia indicado que o efeito do imunizante era reduzido em um terço contra a cepa identificada originalmente na Índia.

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, o responsável pela fabricação da Coronavac no Brasil, afirmou no último dia 8 que avalia a "possibilidade de um reforço anual da vacina (que não deve ser confundido com uma terceira dose)". Ainda em março, o presidente da Sinovac declarou que a empresa estava trabalhando em uma atualização da vacina para combater as variantes do coronavírus, sem mencionar à época se havia realmente a necessidade de uma dose de reforço do imunizante.

De acordo com Covas, resultados em testes de laboratório mostram resultados promissores contra a variante Delta. Faltam, no entanto, resultados da aplicação na prática da Coronavac contra essa nova cepa do coronavírus. 

Segundo dados do governo chileno, no último mês, a quantidade de pacientes com mais de 70 anos internados em UTIs caiu de 372 para 342. Já nos pacientes entre 60 e 70 anos a queda foi mais acentuada: no dia 7 de abril, eram 783. Na sexta-feira, 667. Na faixa que vai dos 50 aos 59 anos, a queda teve início há 13 dias, com diminuição de pouco mais de 7%./ COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.