Estudo nos EUA descarta vínculo entre vacinas e autismo

Pesquisa que estabeleceu ligação levou pais a se recusarem a vacinar seus filhos, causando aumento de casos

Reuters

04 de setembro de 2008 | 18h06

Cientistas que tentaram replicar um estudo que ligou a vacina para sarampo ao autismo disseram na quarta-feira, 4, que não puderam achar nenhum vínculo entre os dois e esperam que seu estudo encoraje os pais a vacinar seus filhos para combater surtos de sarampo.  A recusa dos pais em vacinar seus filhos contra o sarampo tem contribuído para maiores números de casos observados nos Estados Unidos e em parte da Europa.  O sarampo mata 250 mil pessoas por ano no mundo todo, sendo a maior parte delas crianças em países subdesenvolvidos.  Funcionários da saúde pública têm ressaltado a segurança da vacina tríplice para sarampo, rubéola e caxumba e de qualquer outra vacina infantil perante as acusações de alguns grupos, de que essas injeções podem causar autismo e outros problemas.  O Instituto de Medicina dos Estados Unidos já divulgou diversos relatórios finais mostrando que não há nenhuma ligação entre o autismo e qualquer tipo de vacina.  Esse estudo adotou outra tática. Ele tentou recriar - sem sucesso - a pesquisa de 1998 de uma equipe liderada por Andrew Wakefield, do Royal Free Hospital no Reino Unido, publicada no jornal The Lancet. Além do autismo, a pesquisa ligava a vacina a problemas gastrointestinais.  Wakefield está respondendo a um processo de má conduta profissional pelo Conselho Médico Britânico e seus 10 colaboradores originais retiraram seus apoios à pesquisa.  Os resultados completos da recriação da pesquisa foram publicados na revista Public Library of Science (PLoS).

Tudo o que sabemos sobre:
autismovacinassaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.