Marcelo Barabani/AE
Marcelo Barabani/AE

Estudo revela que suplemento de vitamina E pode prejudicar massa óssea

Diferente dos experimentos anteriores, que defendiam os benefícios do consumo, essa nova pesquisa indica que a manutenção dos ossos pode ficar comprometida

Efe,

06 de março de 2012 | 11h06

Os suplementos de vitamina E podem prejudicar a manutenção dos ossos, segundo um estudo feito por cientistas japoneses e divulgado pela revista britânica "Nature Medicine".

Os efeitos positivos de alguns nutrientes como a vitamina D na saúde dos ossos foram bem documentados, mas no caso da vitamina E existia controvérsia entre os cientistas.

Experimentos anteriores, como um realizado em ratos e publicado em 2010, defendiam os benefícios de seu consumo, que potencializaria a massa óssea, e recomendavam sua ingestão por meio de alimentos como o azeite, amêndoas e verduras como o espinafre e o brócolis.

No entanto, de acordo com uma equipe de pesquisadores da Universidade de Keio, em Tóquio, a massa óssea dos ratos que receberam grandes doses de vitamina E era menor do que a daqueles que não a consumiram.

No estudo, foi comparado o que acontecia nos ossos de roedores com um déficit de vitamina E em comparação aos que receberam suplementos desse componente.

A quantidade de massa óssea é determinada pelo equilíbrio entre dois tipos de células: os osteoblastos, que interferem na criação do novo tecido ósseo, e os osteoclastos, que o deterioram.

Na pesquisa japonesa, os ratos com doses altas de vitamina E perderam massa óssea, um dado que os cientistas consideraram que se deve ao fato de que esse componente aumenta o número de osteoclastos, destruindo mais ossos em vez de criá-los.

Os pesquisadores destacaram que, embora esses resultados possam ser importantes para prevenir o risco de fraturas no futuro, é necessária uma investigação mais profunda em humanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.