Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Estudo sugere permanência do material genético do coronavírus no ar

Pesquisa analisou hospitais e áreas públicas; ainda não é possível saber se as partículas do vírus detectadas são capazes de provocar infecções

Érika Motoda, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2020 | 23h23

O material genético do coronavírus pode permanecer no ar, mesmo em ambientes abertos. É o que sugere um estudo publicado nesta segunda-feira, 27, na revista científica Nature por cientistas chineses. Ainda não é possível saber se as partículas do vírus detectadas são capazes de provocar infecções.

Os pesquisadores chineses analisaram 30 locais nos hospitais Renmin (designado para pacientes com sintomas graves da covid-19) e Fangcang (hospital de campanha para pacientes com sintomas mais leves). Esses locais podem ser divididos em:

  • Áreas de pacientes, onde pessoas com coronavírus tinham acesso, como UTI, unidade de terapia intensiva cardíaca e quartos da enfermaria dentro do Hospital Renmin, um banheiro e estações de trabalho dentro do Hospital Fangcang.
  • Áreas exclusivas para a equipe médica que esteve em contato com pacientes com coronavírus.
  • Vias  públicas.

Em locais públicos, o nível de coronavírus era praticamente indetectável, exceto em áreas com aglomerações. Durante a coleta da amostragem, realizada entre 17 de fevereiro e 2 de março, os cientistas encontraram forte presença de coronavírus em até 1 metro de distância de uma loja de departamentos e também na rua próxima ao Hospital de Renmin.

Dentro dos hospitais, em locais com uma maior frequência de desinfecção, como enfermarias de isolamento e salas ventiladas para pacientes, foi detectada uma baixa concentração de RNA do coronavírus. Mas níveis mais elevados foram encontrados nos banheiros sem ventilação utilizados pelos pacientes.

O estudo reforça a importância da higienização, pois algumas áreas de acesso à equipe médica também apresentaram altas concentrações de RNA viral, que foram reduzidas a níveis indetectáveis após a implementação de procedimentos rigorosos de higienização.

No hospital de campanha de Fangcang, os cientistas também levaram em consideração que o vírus pode ser novamente suspenso ao ar quando médicos vão retirar seus vestuários de proteção, pois o vírus depositado nas roupas ganha velocidade durante o ato.

A pesquisa tem limitações por causa da pequena amostra colhida pelos cientistas. Os resultados encontrados, porém, dão um norte a futuras pesquisas sobre a disseminação da doença pelo ar.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.