Estudo vai estimar risco de grávida com zika ter bebê com microcefalia

Pesquisa em parceria com os Estados Unidos teve início nesta terça na Paraíba e vai avaliar 800 pacientes

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2016 | 15h53

BRASÍLIA - Começa nesta terça-feira, 16, na Paraíba um estudo conduzido em parceria com o Ministério da Saúde e Centro de Controle de Doenças, dos Estados Unidos, para estimar a proporção de bebês com microcefalia associada ao zika, vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. A pesquisa deverá avaliar 800 pacientes e terá como ponto de partida a coleta de informações sobre gestantes que tiveram bebês com a má-formação e mães que tiveram bebês sem o problema. 

Para cada caso de má-formação, serão avaliados outros três da mesma região que não possuem a doença. Com a estratégia, integrantes do estudo pretendem averiguar o risco de infecção pelo vírus e responder a uma pergunta que, desde que o aumento de casos foi identificado no Brasil, atormenta especialistas: qual o risco de uma mulher infectada pelo vírus durante a gestação ter um bebê com a má-formação? Quais outros fatores podem estar relacionados com aumento de casos?

A microcefalia é uma síndrome que leva bebês a terem problemas de cognição, de locomoção e audição. Até o ano passado, era considerada uma doença rara, provocada por problemas genéticos e infecções da mãe durante a gestação, como citomegalovírus, toxoplasmose, herpes, sífilis. Os casos também estavam associados a alcoolismo da gestante e uso de drogas. 

Desde setembro, no entanto, os registros de bebês nascidos com o problema aumentaram de forma expressiva, levantando a suspeita de que o aumento de casos estava associado à infecção da gestante por zika - o vírus chegou ao Brasil ano passado, provocando, já nos primeiros meses, uma epidemia no Nordeste - justamente a região que, meses depois, começou a apresentar aumento de nascimentos de bebês com a má-formação. 

Os integrantes do estudo deverão realizar nas gestantes exames de zika e outras doenças, para tentar verificar quantos casos estão de fato associados ao vírus e quantos a outros fatores, que tradicionalmente já eram conhecidos. O trabalho deverá ser feito em 50 dias. Paraíba é o segundo Estado com maior número de casos suspeitos de microcefalia no País, atrás de Pernambuco.

Mais conteúdo sobre:
Paraíba Estados Unidos Brasil Pernambuco

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.