Estudos identificam variantes genéticas similares para câncer de mama e ovário

Dois tipos de tumor compartilham a mesma região de suscetibilidade, no cromossomo 19

Agência Fapesp

20 Setembro 2010 | 19h51

SÃO PAULO - Três estudos independentes publicados no último domingo na revista Nature Genetics destacam a descoberta de variantes genéticas associadas ao câncer de mama e de ovário.

Sabe-se que os dois tipos têm fatores de risco em comum, e as novas pesquisas identificaram que eles também compartilham uma região genética de suscetibilidade ao desenvolvimento de tumores, no cromossomo 19.

Simon Gayther, da University College London, no Reino Unido, e colegas realizaram um estudo de associação genômica ampla para o câncer de ovário. Foram reunidos 10.283 casos dos quatro principais subtipos histológicos, e os cientistas identificaram duas novas regiões genômicas associadas à doença.

No segundo levantamento, o grupo de Paul Pharoah, da Universidade de Cambrigde, também no Reino Unido, fez outra associação genômica ampla para o câncer de ovário, em 8.951 casos. Foram identificadas variantes em uma região genômica específica no cromossomo 19, associada à doença.

Segundo a pesquisa, a região está próxima ao gene conhecido como MERIT40, que interage com outro gene, o BRCA1. Mutações nesse segundo gene são conhecidas como fatores de risco tanto para o câncer de ovário como para o de mama.

Fatores genéticos que poderiam modificar esses fatores de risco foram buscados no terceiro estudo, desenvolvido por Fergus Couch, da Clínica Mayo, nos Estados Unidos, e colegas. Os cientistas fizeram uma associação genômica para o câncer de mama em 1.193 pacientes que tinham tanto a mutação no gene BRCA1 como câncer, e em outras 1.190 pessoas que tinham a variante genética, mas não tinham tumores.

O grupo verificou a associação de uma região genômica específica no cromossomo 19 com o câncer de mama nas mulheres com maior risco (as que tinham a mutação).

Segundo os pesquisadores, a região no genoma é a mesma que o grupo de Pharoah descobriu estar associada ao câncer de ovário. Apesar da importância da descoberta, o grupo ressalta que pesquisas mais amplas são necessárias para que se conheçam melhor as funções dessas regiões cromossômicas envolvidas na suscetibilidade de tumores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.