EUA alertam para risco cardíaco de remédio para diabete

Agência de vigilância americana avisa sobre riscos, mas não proíbe o remédio Avandia por falta de conclusões

Lauran Neergaard, da AP,

15 de novembro de 2007 | 15h03

O governo norte-americano fez nesta quarta-feira, 14, uma importante e ao mesmo tempo confusa recomendação sobre o popular remédio para diabete Avandia, dizendo a pacientes que ele pode, ou não, aumentar o risco de ataques cardíacos.   Veja também:  Remédio contra diabetes aumenta risco cardíaco, diz estudo  Entenda o diabete    A medida é menos severa que a tomada pelo Canadá na semana passada, que restrinbiu o uso da droga no combate à doença. O departamento de vigilância sanitária dos Estados Unidos, o Food and Drug Administration (FDA), concluiu que os estudos são muito contraditórios para afirmar se o Avandia é realmente mais perigoso que outros tratamentos para diabete tipo 2.   O laboratório optou por descrever a falta de pesquisas conclusivas numa tarja preta na embalagem do remédio - o alerta mais importante já dado pela agência. Diferente da maioria dos comunicados que pedem cuidado redobrado, o escrito no Avandia afirma: "Os dados disponíveis sobre riscos... são inconclusivos".   "Ainda é uma questão aberta", afirma John Denkins, chefe da agência FDA. "Queremos tomar medidas de prevenção e pacientes já estão avisados sobre o risco identificado."   Pacientes precisam ter dicionários médicos para interpretar o novo aviso. O texto diz que o Avandia pode estar associado a "eventos de isquemia miocárdica como angina ou enfarte do miocárdio". Traduzindo, isso significa dores no peito ou ataque cardíaco.   A fabricante GlaxoSmithKline PLC está desenvolvendo um panfleto escrito com linguagem leiga para distribuir com cada recipiente do remédio. A Glaxo também concordou com a recomendação do FDA de se realizar um amplo estudo com os efeitos provocados no coração pelo Avandia e seus concorrentes. A pesquisa começa no final de novembro e não terminará até 2014.   Por enquanto, pacientes de diabete tipo 2 que também tenham problemas cardíacos (ou tendência a desenvolvimento a doença) devem conversar com seus médicos sobre os potenciais efeitos do Avandia sobre o coração, se for recomendado o remédio. A orientação é do FDA.

Tudo o que sabemos sobre:
DiabeteAtaque cardíaco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.