EUA anunciam 1ª transmissão de zika de mulher para homem por via sexual

Até agora só havia sido reportada a transmissão de homem para mulher; país recomenda que grávidas não viajem a regiões com presença do vírus

O Estado de S.Paulo

15 Julho 2016 | 16h23

Autoridades dos Estados Unidos informaram nesta sexta-feira, 15, sobre o primeiro caso documentado de transmissão do vírus da zika de uma mulher para um homem por via sexual, que até agora só tinha sido reportado no sentido oposto.

O caso, ocorrido em Nova York, amplia a categoria de risco de contágio sexual até agora conhecido para o vírus, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), que tem sede em Atlanta, no Estado da Geórgia (EUA).

De acordo com os pesquisadores que relataram o caso, a mulher em questão, de cerca de 20 anos, teve relações sexuais sem preservativo com seu companheiro depois de voltar de um país com presença do vírus.

 

 

Várias pesquisas recentes encontraram o vírus em fluidos presentes no trato vaginal.

Como medida de prevenção, as autoridades americanas ampliaram agora a recomendação de utilizar métodos de proteção às mulheres que tenham viajado para algum dos países afetados pela zika e tenham vida sexual ativa.

Além disso, a recomendação se estende a mulheres que tenham uma companheira grávida, embora não tenham sido registrados contágios entre casais do sexo feminino.

Os CDC recomendam às mulheres grávidas não viajarem a regiões com presença do vírus por causa do alto risco de que, em caso de contágio, o feto sofra complicações sérias, como microcefalia.

A entidade aconselha aos viajantes que voltam aos Estados Unidos procedentes de uma área com presença da zika - mesmo que não tenham experimentado sintomas da doença - que tomem medidas para prevenir as picadas de mosquitos durante 3 semanas, para não propagar o vírus por esta via.

O vírus da zika é transmitido principalmente por meio da picada do mosquito Aedes aegypti infectado, embora tenha sido comprovado também o contágio através de fluidos corporais como urina, sangue, sêmen e líquido amniótico. /EFE

 

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos Nova York Atlanta

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.