Agência americana aprova testes com mosquitos transgênicos na Flórida

FDA concluiu que a liberação do 'Aedes aegypti' geneticamente modificado, desenvolvido pela empresa Oxitec, não trará impacto significativo para o meio ambiente

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

05 Agosto 2016 | 16h18

A agência reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA), anunciou nesta sexta-feira, 5, a autorização para o início dos testes, na Flórida, com mosquitos transgênicos da espécie Aedes aegypti desenvolvidos pela empresa britânica Oxitec.

No dia 29 de julho, o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos havia anunciado a confirmação dos primeiros casos de transmissão local do vírus da zika em Miami, na Flórida. Os testes com os mosquitos transgênicos aprovados pela FDA serão realizados a poucos quilômetros dali, no Distrito de Controle de Mosquitos de Flórida Keys.

Em documento oficial publicado nesta sexta, a FDA concluiu que os mosquitos transgênicos "não trarão impacto significativo para o meio ambiente". O objetivo dos testes, segundo a agência, é "determinar se a liberação dos mosquitos da Oxitec será capaz de suprimir a população local de Aedes aegypti". Só após os testes a agência definirá se os mosquitos serão liberados para uso comercial.

 

 

Os mosquitos produzidos pela Oxitec são modificados geneticamente para que tenham uma prole estéril. Todos os mosquitos utilizados são machos - que não se alimentam de sangue e por isso não transmitem vírus. Quando liberado no ambiente, o macho transgênico fecunda as fêmeas que produzem ovos infertéis, levando à redução da população de mosquitos.

A tecnologia da Oxitec já foi testada em pequena escala no Brasil - em Piracicaba (SP) -, no Panamá e nas Ilhas Cayman. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no entanto, informou que ainda não liberou os testes oficiais. Os testes feitos no interior paulista foram realizados antes de a agência decidir, em abril, que seria preciso regulamentar o uso do mosquito transgênico. 

Segundo a Anvisa, com a decisão tomada em abril, foi definido que será preciso fazer um registro temporário dos mosquitos transgênicos para realizar testes em campo a fim de determinar se a tecnologia funciona ou não. A Anvisa agora está elaborando uma norma para a liberação do registro temporário, que ainda passará por consultas públicas. A agência informou que as regras deverão divulgadas até o fim de agosto.

O diretor da Oxitec no Brasil, Glen Slade, comemorou a decisão da FDA. "A aprovação da FDA para o uso do mosquito na Flórida é muito bem vinda e mostrou mais uma vez que uma análise profunda de um órgão competente conclui que nossa ferramenta é muito segura e que não tem nenhum impacto significativo no meio ambiente. Foi exatamente o que esperávamos", disse Slade ao Estado.

Segundo Slade, a autorização da FDA poderá acelerar o processo de aprovação da tecnologia no Brasil e em outros países. "Pela importância mundial da FDA, há uma possibilidade de que a decisão tenha repercussão internacional e acelere o uso da tecnologia nas Américas, incluindo o Caribe. Se tudo der certo com os ensaios na Flórida, teremos os dados necessários para dar o próximo passo, que é o registro comercial", declarou Slade.  

Slade afirmou que o número de mosquitos que podem ser liberados em Flórida Keys será determinado durante o teste. "Cada pote contém cerca de mil mosquitos e o número de potes e pontos de liberação são ajustados durante o teste, conforme as condições locais. O planejamento é realizar três liberações semanais", disse.

Nas Ilhas Cayman, segundo Slade, 3,3 milhões de mosquitos foram liberados durante seis meses de testes, o que resultou na supressão do Aedes aegypti selvagem em mais de 90%. "No Panamá, numa área com tamanho similar, funcionou com a liberação de menos de 5 mil mosquitos por pessoa durante seis meses para chegar a uma supressão também acima de 90%", declarou.

 

 

 

Em Piracicaba, segundo Slade, o mosquito transgênico é utilizado desde março de 2015, em testes realizados antes da Anvisa determinar a necessidade de registro para a tecnologia. De acordo com ele, após dez meses do projeto, a tecnologia conseguiu reduzir o número de larvas do Aedes aegypti selvagem em 82% na área tratada com o mosquito. 

Segundo dados da Vigilância Epidemiológica do município, a área também apresentou redução significativa no número de casos de dengue. Na passagem de 2015 para 2016, o número de casos da doença no bairro tratado teve redução de 91% na comparação com os números registrados um ano antes. Foram confirmados 12 casos da doença no período mais recente contra 133 registros no período anterior.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.