James Gathany/CDC/AP
James Gathany/CDC/AP

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

EUA autorizam 1º teste de vacina contra zika em humanos

Imunizante demonstrou induzir eficazes respostas em animais

EFE

20 de junho de 2016 | 15h39

A Food and Drug Administration (FDA), entidade norte-americana responsável ela avaliação de alimentos e medicamentos, autorizou nesta segunda-feira, 20, o primeiro teste de uma vacina experimental contra o vírus da zika em humanos.

"Estamos orgulhosos por termos obtido a aprovação para iniciar o primeiro estudo de uma vacina contra a zika em humanos", anunciou em comunicado o presidente da farmacêutica Inovio, responsável pelo teste junto com a companhia GeneOne Life Science.

A vacina, denominada "GLS-5700", demonstrou induzir eficazes respostas de anticorpos e células T (responsáveis por coordenar a resposta imune celular) em modelos com animais, de modo que agora passará a uma nova fase na qual seu efeito será testado em 40 pessoas voluntárias saudáveis.

O estudo avaliará sua segurança, tolerância e imunogenicidade (capacidade que o sistema imunológico tem de reagir a um antígeno).

"Planejamos administrar a vacina em nossos primeiros voluntários nas próximas semanas e esperamos informar sobre os resultados provisórios mais adiante neste ano", explicou a empresa farmacêutica no texto.

A Inovio e a GeneOne desenvolvem esta vacina em parceria com acadêmicos dos Estados Unidos e do Canadá com os quais trabalharam anteriormente nas doenças do vírus do Ebola e da síndrome respiratória por coronavírus do Oriente Médio (Mers).

No último dia 9, o Instituto de Pesquisa Walter Reed (WRAIR), do exército dos Estados Unidos, anunciou que está realizando testes pré-clínicos com uma vacina contra a zika e que planeja começar a testar em humanos antes do final do ano.

Os cientistas do WRAIR, maior centro de pesquisa biomédica do Departamento de Defesa dos EUA, trabalham no desenvolvimento de teste pré-clínicos de uma vacina junto com especialistas do Centro Médico Beth Israel Deaconess (Boston).

Os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) monitoram atualmente a transmissão do vírus da zika em 39 países e territórios das Américas, em 8 da Oceania e das ilhas do Pacífico e em um de Cabo Verde.

Até o momento, os CDC detectaram nos EUA mais de 600 casos de zika, embora não haja indícios de que tenham sido gerados dentro do país pela picada do mosquito que transmite o vírus.

O atual surto de zika, que afeta principalmente a América Latina e o Caribe, é considerado uma emergência de saúde global pela Organização Mundial da Saúde (OMS). /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.