EUA condenam envolvidos em tráfico de tecidos humanos

Três homens pilhavam corpos e depois vendiam pele, ossos e tendões para transplantes

AP

23 de outubro de 2008 | 19h01

Três homens que conspiraram para saquear cadáveres e vender pedaços dos corpos, alguns doentes, foram condenados à prisão na quarta-feira, 22.  Em New Jersey, enquanto isso, um juiz federal decidiu contra alguns pacientes que abriram processos após receberem alguns desses tecidos, dizendo que eles não conseguiram estabelecer motivo para o processo.  O juiz William J. Martini concordou com a defesa que afirma que tais procedimentos cirúrgicos não são capazes de transmitir doenças altamente contagiosas como HIV e sífilis.  Martini disse que todos aqueles que receberam implantes de tecidos ou ossos testaram negativo para essas doenças e outras possíveis, o que elimina a base de seus processos.  A mente por trás do esquema, Michael Mastromarino, foi sentenciado a 25 a 58 anos de prisão. Os irmãos Louis e Gerald Garzone, que providenciaram os corpos em casas funerárias e crematórios que administravam na Filadélfia, vão cumprir de 8 a 20 anos.  "Eles nos traíram e abusaram, da maneira mais desprezível, os membros de nossas famílias", disse David P. Blatt, que teve o corpo de seu pais entre os pilhados.  Mastromarino já tinha sido sentenciado a 18 a 54 anos por coordenar o esquema em Nova York. As duas sentenças correrão simultaneamente.  O escândalo data de fevereiro de 2006, quando Mastromarino - então dono do Fort Lee, empresa de serviço de oferta de tecidos - e outros foram acusados de cortar cadáveres em casas funerárias de Nova York, New Jersey e Pennsylvania. As partes foram vendidas e usadas em cerca de dez mil procedimentos cirúrgicos por médicos que não suspeitavam de nada, no Canadá e nos Estados Unidos.  Mastromarino pagou os Garzones por pelo menos 244 corpos que foram cortados sem a permissão da família e sem testes médicos, disseram os advogados. Pele, ossos, tendões e outras partes - algumas delas adoecidas - foram então vendidos por todo o país para implantes.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdetransplantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.