EUA destinam US$ 60 milhões para estudo de vacinas

Adjuvantes são amplamente usados em vacinas de gripe europeias, incluindo as fabricadas por Glaxo e Novartis

Reuters,

08 de outubro de 2009 | 14h26

O governo dos Estados Unidos destinou US$ 60 milhões para cientistas e empresas desenvolverem adjuvantes de vacina - substâncias criadas para reforçar o sistema imunológico e que podem fazer com que os estoques de vacinas durem mais.

 

EUA lançam campanha de vacinação em massa contra a gripe A

 

"O objetivo dessas dotações é descobrir novos adjuvantes seguros que aumentem a efetividade das vacinas", disse o médico Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas do governo americano.

 

"Adjuvantes podem ser usados não só para reforçar a resposta imune a uma vacina, e assim oferecer melhor proteção, mas também estender o suprimento de vacinas se necessário, permitindo que mais pessoas sejam vacinadas com menos doses", diz nota assinada por Fauci.

 

Os contratos de cinco anos vão para seis cientistas.

 

Atualmente, o único adjuvante de vacinas aprovado para uso nos EUA é uma mistura de alumínio conhecida como alum, que não é usada em vacinas contra a gripe.

 

Adjuvantes são amplamente usados em vacinas de gripe europeias, incluindo as fabricadas por Glaxo e Novartis.

 

a Organização Mundial da Saúde (OMS) promove o uso de adjuvantes, porque eles podem aumentar o rendimento de um estoque pequeno de vacinas. 

Tudo o que sabemos sobre:
vacinaomsgripe suínaadjuvante

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.