EUA e Canadá querem padronizar advertências para alérgicos

Autoridades argumentam que avisos vagos são ignorados e colocam consumidores em risco

AP

25 de agosto de 2008 | 20h46

É uma das maiores frustrações da vida: aqueles avisos de que as comidas podem conter os ingredientes errados. Os avisos são voluntários e significam que não há maneira de saber se os alimento contêm ingredientes que você não tolera. E eles são vagos: São "pode conter traços de amendoim" mais confiáveis que "feito na mesma fábrica que amendoins?" Agora órgãos de saúde nos Estados Unidos e no Canadá discutem o estabelecimento de padrões, preocupados que os consumidores estajam confusos e começando a ignorar os avisos.  "Na verdade a coisa mais segura é fazer toda a comida em casa, do zero", disse Margaret Sova McCabe, mãe de Tommie que é alérgico a amendoim, derivados de leite, trigo e outros cinco ingredientes. Mas essa decisão não é prática e ela têm repetidamente encontrado os avisos nas comidas que estava acostumada a acreditar que eram seguras.  A Food and Drug Administration (FDA) fez as mesmas perguntas de uma mãe preocupada na audiência do dia 16 de setembro, o primeiro passo para desenvolver uma estratégia de longo prazo para acabar com a confusão.  "Os avisos de advertência não estão protegendo a saúde dos consumidores alérgicos", disse a FDA.  As autoridades canadenses já foram um passo mais longe, dizendo que os avisos estão "enganando os consumidores" e adverte que tais advertências devem se tornar mais claras e objetivas.  A indústria alimentícia reconhece a confusão. Os Grocery Manufacturers of America está trabalhando em orientações para os avisos há mais de um ano, mas se recusou a fazer qualquer comentário antes de sua próxima reunião.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACanadásaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.