Arquivo/AE
Arquivo/AE

EUA investigam risco cardíaco de medicamento contra diabetes

Remédio Avandia poderia provocar ataques cardíacos em pacientes; GlaxoSmithKline é criticada por omissão

Efe,

23 Fevereiro 2010 | 09h40

A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira, 22, que investiga as denúncias que o medicamento Avandia, receitado para o tratamento de diabetes tipo 2, representa um risco cardiovascular aos pacientes.

 

Veja também:

linkCientistas descobrem proteína que pode combater o diabetes

linkArgentinos criam 'super leite' que previne doenças cardíacas 

 

Um relatório do Senado assinalou no fim de semana passado que a farmacêutica GlaxoSmithKline estava consciente do risco de possíveis ataques cardíacos em pacientes que tomavam o remédio desde muito antes que o problema ser tornado público.

 

O senador democrata Max Baucus, presidente do Comitê de Finanças, e Chuck Grassley, o republicano de maior categoria nesta comissão, criticaram em um relatório à FDA por omissão ou não ter dado importância as preocupações manifestadas pelos próprios funcionários sobre a segurança do medicamento.

 

Os dois senadores perguntaram à FDA que medidas a organização tomou para proteger os pacientes e por que permitiu a continuidade do uso e estimam que o remédio tenha causado 83 mil ataques cardíacos entre 1999 e 2007.

 

Em declaração, à FDA assinalou que está analisando "de forma permanente" os estudos para avaliar a segurança e que está revisando outras pesquisas adicionais.

 

Acrescentou que até agora não existem conclusões ou recomendações sobre o uso do Avandia no tratamento do diabetes tipo 2, mas esclareceu que em 2007 alertou sobre uma possível vinculação entre a medicina e um aumento no risco cardiovascular.

 

A FDA indicou que em meados deste ano fará uma avaliação atualizada sobre os riscos e benefícios do Avandia no tratamento do diabetes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.