Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

EUA liberam vacina da Pfizer contra covid para crianças de 5 a 11 anos

Aval para uso do imunizante no público infantil foi dado oficialmente nesta terça-feira; farmacêutica também vai pedir para aplicar doses no Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2021 | 23h00

Cerca de 28 milhões de crianças com idades de 5 a 11 anos já podem receber a vacina contra a covid-19 da Pfizer-BioNTech nos Estados Unidos. Os Centros para a Prevenção e o Controle de Doenças (CDC) deram seu aval oficialmente ao imunizante na noite desta terça-feira, 2, depois da autorização no final da semana passada da Agência de Medicamentos dos Estados Unidos (FDA). No Brasil, a Pfizer já anunciou que vai pedir este mês autorização também para vacinar crianças de 5 a 11 anos.

A vacina será aplicada em duas doses com três semanas de intervalo. A dose foi ajustada para um terço por injeção em comparação com a aplicação em adultos e adolescentes.

“Sabemos que milhões de pais querem vacinar seus filhos”, admitiu Rochelle Walensky, diretora do CDC. Ela qualificou o anúncio como um “passo importante” no combate à covid-19. “Como mãe, incentivo os pais que tenham perguntas a conversar” com os profissionais de saúde para “aprender mais sobre a importância da vacinação”.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, classificou este passo como um “importante ponto de inflexão” na luta contra a pandemia de covid-19. “Vai permitir aos pais pôr fim a meses de preocupação com seus filhos e reduzir a taxa com que as crianças transmitem o vírus para outros.”

Entre as crianças de 5 a 11 anos, foram registrados mais de 1,9 milhão de casos de covid-19 nos Estados Unidos, 8.300 hospitalizações, 2.300 casos de MIS-C (síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica) e uma centena de mortes. Segundo testes clínicos feitos pela Pfizer em milhares de crianças, ficou demonstrado que a vacina tem eficácia de 90,7% na prevenção de formas sintomáticas da doença neste grupo etário. Além de protegê-las de adoecerem, há outros benefícios como menos fechamentos de salas de aulas e uma possível redução na transmissão da pandemia na população em geral.

As doses estarão disponíveis em farmácias, hospitais pediátricos, consultórios de pediatras, médicos de família e algumas escolas. Segundo uma pesquisa em setembro, realizada pelos CDC com consultas a mil pais, 57% disseram que “definitivamente” ou “provavelmente” vacinariam seus filhos.

“Se tivesse um neto, definitivamente o vacinaria”, disse Beth Bell, especialista em doenças infecciosas e membro do comitê de especialistas convocado pelos CDC, que recomendou de forma unânime a Pfizer para crianças de 5 a 11 anos. “Temos uma evidência excelente de eficácia e segurança. Temos uma análise de risco-benefício favorável.” / COM AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.