Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Europa anuncia 10 milhões de euros para a pesquisa do zika

Parte do dinheiro vai beneficiar o País; segundo ministro Celso Pansera, verba será importante para auxiliar cientistas brasileiros

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo

15 Março 2016 | 13h31

GENEBRA - A Comissão Europeia anunciou nesta terça-feira, 15, o financiamento de 10 milhões de euros para bancar projetos de pesquisas sobre o vírus zika, principalmente no Brasil. Os detalhes de como o dinheiro será enviado ou quais instituições receberão os recursos não foram revelados. Mas, em um comunicado, o governo brasileiro confirmou a parceria. 

Citado no anúncio feito em Bruxelas, o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, Celso Pansera, indicou que parte do dinheiro vá beneficiar o Brasil. Mas também não traz detalhes. 

"A parceria com a União Europeia na pesquisa sobre o vírus zika será muito importante para ajudar pesquisadores brasileiros em combater a epidemia que afeta nosso país", disse. "Além disso, a iniciativa vai estimular a pesquisa e tecnologia em escala global para o benefício de todos", afirmou.

Para o comissário de Saúde da UE, Vytenis Andriukaitis, o bloco europeu deve se preocupar com a proliferação de casos. "Vários cidadãos europeus voltaram de áreas afetadas pelo vírus", disse. "Estamos monitorando com cuidado a situação e, com o verão chegando, estamos trabalhando com governos e com a OMS (Organização Mundial da Saúde) para instalar medidas necessárias para garantir uma resposta ao problema", disse.

Carlos Moedas, comissário europeu para Pesquisas, também destacou a falta de recursos para pesquisas. "O dinheiro vai permitir pesquisas que são urgentes sobre essa ameaça global", indicou.

Na semana passada, o presidente do Instituto Butantã, Jorge Kalil, queixou-se na OMS da falta de recursos do governo federal para o desenvolvimento de pesquisas e indicou que estava em negociações com europeus e americanos para bancar projetos no Brasil.

Além dos 10 milhões de euros anunciados nesta terça-feira, os europeus gastarão mais 40 milhões de euros para bancar sua própria vacina. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.