Ex-Big Brother inglesa se casa na frente das câmeras

Jade Goody, paciente de câncer terminal, leiloou transmissão entre emissoras inglesas

AP

22 Fevereiro 2009 | 13h25

Uma ex-participante do Big Brother britânico, que está com câncer terminal na coluna cervical, se casou neste domingo em frente às câmeras - um benefício que foi concedido à emissora que pagasse mais pela exibição. O dinheiro será destinado a pagar a educação de seus filhos pequenos.   Veja também: Câncer no BB britânico aumenta procura por prevenção   Jade Goody, a quem os britânicos costumavam odiar mas agora enchem de elogios, casou-se com seu noivo Jack Tweed, de acordo com seu porta-voz, Max Clifford.   Jade, de 27 anos, e Tweed, de 21, foram aplaudidos de pé por 200 convidados no hall do hotel onde aconteceu o casamento. A cerimônia recebeu cobertura incrivelmente positiva da mídia britânica, e marca uma reviravolta para Jade, uma celebridade atrevida e rechonchuda que saiu da posição de típica jovem inglesa vulgar e mimada para um exemplo de bravura ao acompanhar seu diagnóstica de câncer.   Ainda que houvesse extravagâncias comuns aos casamentos de celebridades - um helicóptero, hotel chique, equipes de televisão e contratos que garantiam os direitos de foto e vídeo da cerimônia -, as circunstâncias estavam longe de serem 'típicas'.   A noiva estava careca por causa da quimioterapia, e carregava uma bolsa de analgésicos 'escondida' pelo design do vestido, que foi adaptado para tal; o noivo está em liberdade condicional depois de agredir um adolescente com um taco de golfe.   Embora Tweed esteja em regime semiaberto, o Ministério da Justiça britânica lhe concedeu uma dispensa especial para que ele pudesse passar a noite com sua noiva. "Deve ser a única noite que o casal passará junto", disse o porta-voz de Jade.   Jade ficou sob os holofotes desde que participou da edição inglesa do Big Brother de 2002. Na ocasião, foi tão ridicularizada por suas gafes - ela chegou a perguntar se nos EUA se falava inglês - que a escola onde ela estudou no sul de Londres chegou a se defender, dizendo que ela não era uma aluna típica.   A jovem fez dinheiro de sua notoriedade publicando uma autobiografia, vídeos de malhação e uma linha de perfumes, mas seus conflitos com a atriz de Bollywood Shilpa Shetty, durante as filmagens do "Celebrity Big Brother" em janeiro de 2007, a deixaram marcada como racista e a excluíram do programa.   Jade tentou consertar, reatando com Shilpa, doando dinheiro para caridade na Índia e se oferecendo para participar da versão indiana do Big Brother. Durante as filmagens dessa edição, em agosto, ela descobriu que tinha câncer.   A decisão de filmar sua luta contra a doença - e daí fazer a maior quantidade de dinheiro possível, para beneficiar seus dois filhos - foi exaltada por toda a sociedade inglesa.   O primeiro ministro britânico Gordon Brown classificou como 'trágica' a história de Jade. O líder da Igreja Católica na Inglaterra e no Páis de Gales, o Cardeal Cormac Murphy-O'Connor, disse que a jovem é "uma mulher corajosa".   "Muita gente pode dizer 'bem, seria melhor se ela fosse discreta'", ele disse à agência Sky News. "Mas acho que ela tomou a decisão de querer que as pessoas aprendam algo com seus últimos meses de vida." Outros especialistas mencionaram que o número de diagnósticos precoces de câncer cervical, o que o torna mais fácil de ser tratado, aumentou desde que a história de Jade chegou às manchetes.   "Jade Goody conseguiu fazer o que nenhuma campanha de saúde pública foi capaz antes, que é colocar a atenção da opinião pública sob o assunto", afirmou à Sky News neste domingo o legislador inglês Dr. Liam Fox.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.