Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Ex-integrante do Mais Médicos, cubano quer trocar volante por jaleco para combater coronavírus

Sem o diploma aceito no Brasil, Danis Duvian passou a ganhar a vida com bicos de garçom, de churrasqueiro, de vendedor e, há seis meses, é motorista de aplicativo nas ruas de Vitória, capital do Espírito Santo

Vinicíus Valfré, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2020 | 10h00

BRASÍLIA - O médico Danis Duvian, de 37 anos, chegou ao Brasil em 2016 para integrar o programa Mais Médicos. Desde que Cuba suspendeu o convênio como resposta à pressão do governo Jair Bolsonaro, ele não quis retornar à terra natal e precisou se reinventar. Sem o diploma aceito no Brasil, passou a ganhar a vida com bicos de garçom, de churrasqueiro e de vendedor. Há seis meses, é motorista de aplicativo nas ruas de Vitória (ES).

Como o governo brasileiro quer chamar de volta profissionais que atuaram no Mais Médicos para reforçar a estrutura de combate ao coronavírus, Danis vive agora a expectativa de trocar o volante pelos consultórios – e quer ajudar os brasileiros a enfrentar a pandemia.

"Vontade temos demais. A gente gostaria, sim (de trabalhar na crise). Imagine voltar a atuar como médico... seria o melhor para todos nós", disse ao Estado o cubano, que chega a dirigir entre 14 e 16 horas por dia.

Depois de eleito, Bolsonaro lançou o programa Médicos Pelo Brasil em substituição ao Mais Médicos - este lançado em 2013, no governo Dilma Rousseff (PT). A recontratação de médicos cubanos já era prevista para o novo programa. Contudo, a iniciativa ainda não saiu do papel por questões burocráticas.

É por isso que o cubano radicado na capital capixaba prefere não fazer planos sobre voltar a atender pacientes no Brasil. "Falam que voltaremos, mas nada está certo. A gente perdeu as esperanças, e isso é muito triste para todos. Acho que só acreditaremos quando estivermos dentro de um consultório, com jaleco branco e com um paciente", afirmou Danis.

Formado pela Universidade de Santiago de Cuba, ele tem mais de dez anos de experiência médica, com trabalho desenvolvido também na Venezuela. A mulher dele também é médica cubana. Ambos vieram juntos ao Brasil. Após encerrado o contrato e sem poder mais consultar, ela chegou a trabalhar na recepção de um posto de saúde, em Vitória. Hoje, se dedica a cuidar da filha, de seis anos.

Governo quer contratrar quase 6 mil médicos

O Ministério da Saúde quer, ao todo, reforço de 5.811 profissionais para enfrentar o coronavírus a partir de abril. O edital do Mais Médicos para combater a epidemia foi lançado no último dia 11. É estimada despesa de R$ 1,2 bilhão para as contratações. Profissionais devidamente inscritos nos Conselhos Regionais de Medicina ou com o diploma revalidado também podem se apresentar para a seleção.

Os médicos brasileiros terão prioridade na seleção. Os cubanos serão escolhidos em etapas subsequentes do processo. Deles, será exigido o cumprimento dos seguintes requisitos: terem sido desligados do Mais Médicos em razão do fim do acordo de cooperação entre o governo brasileiro, de Cuba e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS); e terem permanecido em território nacional até a data da publicação da MP do Médicos Pelo Brasil, em 1º de agosto de 2019, na condição de naturalizados, residentes ou com pedido de refúgio.

Não há exigência de prova do Revalida, exame que o governo brasileiro exige para reconhecer diplomas emitidos por universidades de fora do Brasil. A decisão de abrir o novo edital do Mais Médicos é do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.