Divulgação
Divulgação

Exame de dois fetos traz indícios de infecção por zika vírus

Análise foi feita no laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) - governo não confirma; Pernambuco prepara manual para obstetras

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

17 Novembro 2015 | 03h00

Atualizado às 11h50

BRASÍLIA - Resultados preliminares de exames em dois fetos com microcefalia revelam a infecção por zika vírus, apurou o Estado. Os testes foram feitos a partir da análise de líquido amniótico de dois bebês de Campina Grande, na Paraíba.

O material foi coletado pela especialista em medicina fetal Adriana Melo, que vem acompanhando desde o início do surto casos de paciente com a má-formação. A análise foi feita no Laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Rio de Janeiro. A confirmação  é aguardada para esta terça-feira, 17, quando o Ministério da Saúde deve apresentar números atualizados do surto.

O resultado é o primeiro a indicar a relação entre o aumento de casos da microcefalia e a infecção da gestante pelo vírus. Até sexta-feira, 13,  haviam sido contabilizados pelo menos 250 casos de bebês com microcefalia nos Estados de Pernambuco, Sergipe, Rio Grande do Norte, Paraíba e Piauí. 

O Estado apurou que o Ministério da Saúde admitiu nesta terça-feira a existência do exame e comunicou o resultado a um grupo interno, encarregado de acompanhar emergências sanitárias. Nesta segunda-feira, 16, questionada sobre a análise da Fiocruz, a pasta não confirmou a informação. Afirmou em nota não haver análises finalizadas e que qualquer conclusão neste momento é precipitada.

"Todas as hipóteses serão minuciosamente avaliadas para não se incorrer em erro", informou a pasta.

Especialistas ouvidos pela reportagem do Estado afirmaram que o resultado é um forte indicativo de que a causa das microcefalias é a infecção pelo vírus, transmitido pelo mesmo vetor da dengue, o Aedes aegypti. "O isolamento viral no líquido amniótico, se de fato constatado, confirma a associação entre zika e microcefalia", afirmou o professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Carlos Brito.

"É um achado inusitado que vai exigir um enorme empenho para reforçar o combate ao vetor no próximo verão", afirmou uma fonte ouvida pelo Estado, sob condição de anonimato. 

O aumento de microcefalia nos Estados do Nordeste começou a ser notado em agosto. Em Pernambuco, o número de nascimentos contabilizados neste ano é 15 vezes maior do que a média anual registrada no período 2010-2014, de 9 casos. Exames preliminares feitos nas gestantes e nos bebês não indicou, até agora, uma forte relação entre a microcefalia e infecções que tradicionalmente provocam esse tipo de má-formação, como toxoplasmose, citomegalovírus. Pesquisadores começaram a levantar a hipótese de relação com o zika vírus diante dos relatos das gestantes. 

Boa parte delas informou ter apresentado febre baixa, coceiras e vermelhidão (sintomas clássicos de zika) nos primeiros meses de gravidez. Tais manifestações ocorreram justamente no período em que Estados do Nordeste enfrentavam epidemia por zika vírus. Mostras de sangue das gestantes e dos bebês com microcefalia - um má-formação rara, que pode levar à deficiência mental, crises de epilepsia, problemas de coordenação, audição e visão - tentam identificar as causas da doença. Até agora, a maior dificuldade dos pesquisadores era encontrar traços de algum agente infeccioso que poderia ter levado à malformação.

O zika vírus foi isolado no Brasil no início do ano e provocou epidemia em vários Estados do Nordeste. Os sintomas da doença, que ficou conhecida como prima da dengue, são febre baixa, coceira e vermelhidão. 

Quando chegou no Brasil, o zika foi tratado como um problema menor do que a dengue. Há registros esparsos, no entanto, de que um número pequeno de pacientes adultos desenvolveu semanas depois da infecção uma doença autoimune, a Guilliam Barré. A associação com a doença também está em análise. Por enquanto, autoridades sanitárias foram orientadas a ficar alerta.

Manual. Diante do avanço de microcefalia no Estado, Pernambuco vai lançar nos próximos dias um manual para obstetras sobre como fazer o diagnóstico do problema durante a gravidez. O documento também vai trazer recomendações que devem ser dadas a gestantes e exames que podem ser pedidos para melhor acompanhamento da mãe e do feto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.