Exame de sangue da mãe consegue identificar síndromes genéticas do bebê
Conteúdo Patrocinado

Exame de sangue da mãe consegue identificar síndromes genéticas do bebê

Teste chamado NIPT, disponível no Brasil nos laboratórios da Dasa, pode ser realizado a partir da 9ª semana de gravidez

Dasa, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

18 de setembro de 2019 | 12h24


A gestação é um período repleto de expectativas e medos, e toda informação sobre a saúde do bebê ajuda a preparar a família e a equipe médica caso algum problema seja identificado. Na medicina fetal, o recurso mais moderno disponível atualmente chama-se NIPT (Teste Pré Natal não-invasivo), um exame de sangue realizado pela GeneOne, laboratório de genômica da Dasa, líder brasileira em medicina diagnóstica e maior empresa do setor, na América Latina.

Extremamente sensível e, por essa razão, considerado um excelente teste de rastreio, o NIPT complementa o entendimento da informação genética da mãe e do feto. Seu valor preditivo positivo para o grupo de doenças pesquisadas é de 85% - ou seja, 85% dos resultados positivos são confirmados posteriormente. Nos casos em que ele identifica um possível problema, é necessário realizar a coleta do líquido amniótico ou realizar a biópsia de vilo coriônico, técnicas invasivas e que possuem maior risco para a gestante e também para o feto, para verificação.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O preditivo positivo do NIPT para o grupo de doenças pesquisadas é de 85%
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

A realização do exame é muito simples: basta uma coleta de sangue da mãe, que pode ser feita a partir da 9ª semana de gravidez. Com uma pequena quantidade de DNA da placenta, por meio de sequenciamento genético, o NIPT analisa os cromossomos fetais. Antes da chegada dessa tecnologia, só era possível conseguir o material genético do bebê por meio de coletas bastante invasivas, que colocavam a mãe e o feto em risco de infecções, abortos e sangramentos, e só permitiam a análise dos cromossomos, não do genoma completo. Desde 2018, o NIPT também pode ser aplicado em gêmeos.

Orientação incluída

Além da realização do teste no Brasil, a GeneOne atua também no aconselhamento genético ao médico prescritor para que ele oriente sua paciente. “O diagnóstico pré-natal de síndromes, como Down, permite que os pais e a família se preparem emocionalmente para compreender as necessidades do bebê que está a caminho, desmistificando e entendendo a nova condição da família. A equipe médica que irá receber o bebê também ganha tempo para manejar o risco de malformações congênitas que necessitem atenção especializada imediata após o nascimento”, pondera Gustavo Campana, diretor médico da Dasa.

O painel oferecido pela Dasa ainda oferece um diferencial: identifica até três DNAs distintos no plasma materno, o que aumenta a acurácia do diagnóstico. Os outros métodos apenas contam os cromossomos, sem distinguir os indivíduos, aumentando o risco de erro no diagnóstico. O exame identifica anomalias dos cromossomos 13 (Síndrome de Patau), 18 (Síndrome de Edwards), 21 (Síndrome de Down) e 22 (Síndrome de DiGeorge) além das síndromes que afetam os cromossomos sexuais X e Y como Klinefelter e Turner.


 

Tudo o que sabemos sobre:
bebêDNAgenéticagravidezobstetrícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.