Exame do Cremesp reprova 56% dos estudantes de Medicina

Em 2007, entre os 833 participantes da primeira fase, 367 participantes (44%) foram aprovados para a segunda

06 de dezembro de 2007 | 19h19

Pelo terceiro ano consecutivo, o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) promoveu uma avaliação dos estudantes do sexto ano de Medicina. O índice de reprovação cresceu 25 pontos percentuais de 2005 para 2007. De 2006 para 2007, a reprovação aumentou 18 pontos, informa o conselho.    Relatório do Cremesp   Em 2007, entre os 833 participantes da primeira fase, 367 participantes (44%) foram aprovados para a segunda fase. Para chegar à segunda etapa era preciso acertar, no mínimo, 60% da prova.   No exame do Cremesp de 2006, dentre os 688 participantes da primeira fase, 427 (62%) foram aprovados para a segunda fase. Destes, 265 compareceram à segunda fase e foram todos aprovados. No primeiro exame, em 2005, dentre os 998 presentes na primeira etapa, 685 participantes (69%) foram considerados aptos para a segunda, quando todos que compareceram foram aprovados.   A participação no Exame do Cremesp não é obrigatória, é opcional e não é um pré-requisito para a habilitação do médico.   Atualmente existem 31 escolas médicas em atividade no Estado, oito delas abertas de 2002 a 2007. Participaram do exame 23 delas que têm, ao todo, cerca de 2.200 alunos no sexto ano. As demais, que iniciaram as atividades há menos de seis anos, ainda não têm alunos no sexto ano e não formaram suas primeiras turmas.   Em relatório que acompanha a divulgação do exame, o Cremesp informa que em sete anos, de 2000 a 2006, o numero de médicos denunciados ao conselho aumentou em 75%, bem acima da taxa de crescimento dos médicos inscritos e da taxa de crescimento  população.   No mesmo período, o número de processos ético-profissionais em andamento no Cremesp cresceu 120%. De 2.023 médicos denunciados em 2000, o numero subiu para 3.569 em 2006.

Tudo o que sabemos sobre:
medicinasaúdeeducaçãocremesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.