Exame em mico-leão-dourado achado morto no RJ dá negativo para febre amarela

Segundo associação de proteção dos animais, em nenhum dos primatas mortos na área de ocorrência do mico-leão-dourado foi confirmado o diagnóstico da doença

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

03 Abril 2017 | 17h17

RIO - Exames feitos pela Fundação Oswaldo Cruz em um mico-leão-dourado encontrado morto em Silva Jardim, na Baixada Litorânea, deram resultado negativo para febre amarela. Em 21 de março, dois micos foram achados mortos às margens da BR-101, sem marcas de atropelamento. O episódio ocorreu dez dias depois da morte do pedreiro Watila dos Santos, de 38 anos, por febre amarela, na cidade de Casimiro de Abreu, a 37 km de Silva Jardim.

A Associação Mico-Leão-Dourado, que monitora esses primatas, comemorou o resultado do exame. "A notícia é boa e continuamos em alerta. Até o momento, em nenhum dos primatas mortos na área de ocorrência do mico-leão-dourado foi confirmado o diagnóstico da doença", informou a AMLD, em nota publicada em rede social.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, foram confirmados diagnósticos em dois macacos, um  Campos dos Goytacazes, norte fluminense, e outro em São Sebastião do Alto, na região serrana.

No sábado, 1º, a guarda ambiental do Parque Municipal do Atalaia, em Macaé, no Norte Fluminense, encontrou dois bugios mortos. Os animais foram encaminhados para o Rio, a fim de passarem por exames na Fiocruz. Pesquisadores da fundação e guardas ambientais farão varredura na mata e colocarão armadilhas para capturar mosquitos, para confirmar se estão infectados pelo vírus da febre amarela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.