Exame em mico-leão-dourado achado morto no RJ dá negativo para febre amarela

Segundo associação de proteção dos animais, em nenhum dos primatas mortos na área de ocorrência do mico-leão-dourado foi confirmado o diagnóstico da doença

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

03 de abril de 2017 | 17h17

RIO - Exames feitos pela Fundação Oswaldo Cruz em um mico-leão-dourado encontrado morto em Silva Jardim, na Baixada Litorânea, deram resultado negativo para febre amarela. Em 21 de março, dois micos foram achados mortos às margens da BR-101, sem marcas de atropelamento. O episódio ocorreu dez dias depois da morte do pedreiro Watila dos Santos, de 38 anos, por febre amarela, na cidade de Casimiro de Abreu, a 37 km de Silva Jardim.

A Associação Mico-Leão-Dourado, que monitora esses primatas, comemorou o resultado do exame. "A notícia é boa e continuamos em alerta. Até o momento, em nenhum dos primatas mortos na área de ocorrência do mico-leão-dourado foi confirmado o diagnóstico da doença", informou a AMLD, em nota publicada em rede social.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, foram confirmados diagnósticos em dois macacos, um  Campos dos Goytacazes, norte fluminense, e outro em São Sebastião do Alto, na região serrana.

No sábado, 1º, a guarda ambiental do Parque Municipal do Atalaia, em Macaé, no Norte Fluminense, encontrou dois bugios mortos. Os animais foram encaminhados para o Rio, a fim de passarem por exames na Fiocruz. Pesquisadores da fundação e guardas ambientais farão varredura na mata e colocarão armadilhas para capturar mosquitos, para confirmar se estão infectados pelo vírus da febre amarela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.