Excesso de fluoreto pode prejudicar dentes e ossos, diz estudo

Os altos níveis de fluoreto que ocorrem naturalmente em alguns tipos de água potável podem causar danos aos dentes e ossos e devem ser reduzidos, divulgou o Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos ontem. O estudo não analisou os benefícios ou riscos da adição de fluoreto à água potável. Em vez disso, avaliou o limite máximo corrente de 4 miligramas por litro. Aproximadamente 200 mil pessoas moram em comunidades em que esse nível existe naturalmente na água. O Conselho sugeriu que mais estudos devem ser feitos para que seja estabelecido um novo valor máximo, mas notou que os problemas associados à exposição ao fluoreto são muito pequenos em níveis de 2 miligramas ou menos por litro. Cerca de 1,4 milhões de pessoas consomem água com níveis naturais de fluoreto entre 2 e 3,9 miligramas por litro, disse o Conselho, que faz parte da Academia Nacional de Ciência. Mais de 160 milhões de americanos vivem em comunidades com água em que o fluoreto foi adicionado artificialmente e que contém entre 0,7 e 1,2 miligramas por litro. O fluoreto é adicionado à água para ajudar a fortalecer os dentes. Beber água com um nível acima do máximo pode causar a descoloração dos dentes e danificar o esmalte, e um acúmulo a longo prazo nos ossos pode resultar em um aumento nas fraturas, reportou o conselho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.