'Excomunhões ligadas ao aborto de PE foram excepcionais'

Sem desautorizar o arcebispo de Recife, membros da CNBB classificam o caso como 'dramático'

Luciana Nunes Leal, de O Estado de S. Paulo,

12 Março 2009 | 18h04

Apesar de terem apoiado a manifestação do bispo de Recife e Olinda sobre a excomunhão das pessoas envolvidas no aborto de uma menina de nove anos, estuprada pelo padrasto, duas autoridades da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) destacaram que o caso foi "excepcional" e "dramático". Sem desautorizar o arcebispo de Recife, o secretário-geral da CNBB, D. Dimas Lara da Rosa, disse que não considera que os pais da menina, que autorizaram o aborto, estão excomungados. Afirmou ainda que "não há elementos para dizer que qual médico esta excomungado e que qual não está". Segundo D. Dimas, só estarão excomungados os profissionais "conscientes e contumazes" da prática do aborto.

 

Veja também:

linkPolíticos antiaborto criticam arcebispo por excomunhão

linkLeia a carta do padre de Alagoinha sobre aborto e excomunhão

linkJornais do mundo falam sobre caso de excomunhão e aborto

especial Entenda o que dizem o Direito Canônico e o Código Penal

forum Opine: qual ética o médico deve seguir nestes casos?

 

O presidente da CNBB, D. Geraldo do Lyrio Rocha,disse que "a excomunhão não é sinônimo de condenação ao inferno, é um ato da Igreja". Durante entrevista coletiva, o assessor canônico da CNBB, Padre Enrique Pujol, explicou os princípios da excomunhão e ressaltou que a punição não pode ser feita "em clima de polêmica". D. Dimas disse que, embora o estupro não esteja, no direito canônico, entre os fatos que justificam a excomunhão, o estuprador "está automaticamente fora da comunhão da Igreja".

Mais conteúdo sobre:
CNBBabortoexcomunhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.