Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Exercícios físicos podem levar mulheres a ter orgasmos, aponta estudo

Participantes da pesquisa citaram atividades como abdominais, levantamento de peso e 'spinning'

estadão.com.br

19 de março de 2012 | 10h54

BLOOMINGTON - Boas notícias para as mulheres. Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Indiana confirmou que exercícios físicos abdominais podem levar ao orgasmo feminino.

 

O fenômeno, chamado de "coregasm" (união das palavras núcleo e orgasmo em inglês), já foi objeto de estudos publicados anteriormente, mas as conclusões da recente pesquisa são novas, de acordo com Debby Herbenick, codiretora do Centro de Promoção da Saúde Sexual da Universidade de Indiana.

 

"As atividades mais comuns associadas ao orgasmo induzido por exercícios são os abdominais, levantamento de peso, spinning e escalada em cordas ou barras", explica a pesquisadora. "Esses dados são interessantes porque sugerem que o orgasmo não é necessariamente evento sexual, e também nos ensinam mais sobre como a mulher o experimenta", completa.

 

As conclusões foram publicadas em uma edição especial do jornal Sexual and Relationship Therapy (Terapia Sexual e de Relacionamento, em tradução livre). Os resultados têm como base respostas de 124 mulheres que disseram ter tido orgasmos enquanto se exercitavam e outras 246 que reportaram prazer sexual.

 

Debby afirmou que os mecanismos do corpo responsáveis pelo orgasmo induzido por exercícios permanecem desconhecidos, mas espera que novas pesquisas ajudem sua equipe a esclarecer esses sistemas.

 

Ela alerta também que ainda não se sabe se tais exercícios podem melhorar a experiência sexual das mulheres. "Podes ser que os exercícios - cujos benefícios para a saúde e para o bem-estar já são conhecidos - tenham potencial para uma melhora da vida sexual também", conclui. 

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeciênciamulherorgasmoestudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.