Experimento confirma que neutrinos não viajam mais rápido do que a luz

De acordo com o novo experimento Icarus, do laboratório italiano de Gran Sasso, no CERN, novos dados reforçam a ideia de que havia um 'erro na medição' feita anteriormente

Efe,

16 de março de 2012 | 18h35

O experimento Icarus, do laboratório italiano de Gran Sasso, confirmou que os neutrinos, um tipo de partículas subatômicas, não são mais velozes do que a luz, anunciou nesta sexta-feira, 16, o Centro Europeu de Física de Partículas (CERN).

Estes resultados desmentem as conclusões preliminares do experimento Opera, do mesmo laboratório, que detectou neutrinos que supostamente viajavam 20 nanosegundos mais rápido do que a luz, algo que contradizia a Teoria da Relatividade de Einstein, base da física moderna.

Nesta ocasião, o laboratório de Gran Sasso registrou medidas de neutrinos "que coincidem com a velocidade da luz", indicou o CERN, que colaborou com o experimento.

"Isto indica que os neutrinos não excedem a velocidade da luz em sua viagem entre os dois laboratórios", o de Gran Sasso e o do CERN, próximo a Genebra, situados a 730 quilômetros de distância, detalhou o comunicado.

O diretor da pesquisa do CERN, Sergio Bertolucci, declarou que estes novos dados reforçam a ideia de que os resultados anteriores do experimento Opera apresentaram um "erro na medição".

"Os experimentos Borexino, Icarus, LVD e Opera, do laboratório de Gran Sasso, continuarão efetuando novas medições para chegar ao veredicto final", acrescentou Bertolucci.

Além disso, o diretor comemorou o fato de que, seja qual for o resultado, o experimento Opera "se comportou com perfeita integridade científica ao abrir suas medições a um exame amplo e ao permitir que se realizem medições independentes".

"O experimento Icarus apresentou uma verificação cruzada do resultado irregular do Opera no ano passado", disse por sua vez o porta-voz do Icarus e ganhador do Prêmio Nobel de Física em 1984, Carlo Rubbia.

Esse experimento tem um dispositivo de medida de tempo independente do Opera e segundo as medições informadas nesta sexta, os neutrinos chegam a um tempo "que está em consonância com a velocidade da luz".

Os responsáveis do experimento Opera já haviam anunciado em fevereiro que os resultados de neutrinos mais rápidos do que a luz poderiam se dever a uma série de problemas técnicos nos aparelhos de medida.

Uma conexão ruim de um cabo de fibra óptica e a incorreta sincronização entre dois cronômetros explicariam esses resultados, que causaram surpresa na comunidade científica.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.