Explosão de estrela distante é sufocada por nuvem de poeira

Casulos de poeira espacial aborveram toda a luz emitida por supernova, dizem astrônomos

estadão.com.br, estadão.com.br

15 Outubro 2010 | 16h40

 

Uma estrela gigantesca, numa galáxia distante, terminou sua vida num soluço envolto em poeira, e não numa grande explosão. Pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio suspeitam que o evento - o primeiro do tipo já observado - era mais comum nos primórdios do Universo.

 

A equipe de Christopher Kochanek descreve como a supernova apareceu, em agosto de 2007, durante a Pesquisa de Campo Profundo do Telescópio Espacial Spitzer. 

 

Os astrônomos estavam vasculhando os dados da pesquisa em busca de núcleos galácticos ativos, gigantescos buracos negros que ocupam o centro de galáxias. Esses núcleos irradiam enormes quantidades de calor, á medida que material é aquecido ao mergulhar no buraco negro. Em particular, os astrônomos buscavam pontos quentes de temperatura variável, porque poderiam oferecer sinais de mudança no fluxo de material para o buraco negro.

 

Os pesquisadores não esperavam descobrir supernovas nesse tipo de busca, disse outro membro da equipe, Szymon Kozlowski. Supernovas irradiam a maior parte de sua energia sob a forma de luz, não de calor.

 

Mas um ponto quente, que apareceu numa galáxia a cerca de 3 bilhões de anos-luz da Terra, não correspondeu ao sinal de calor típico de um núcleo ativo. A luz visível emanando da galáxia também não batia com o previsto.

 

Uma enorme quantia de calor fluiu do objeto por cerca de seis meses, e então desapareceu lentamente no início de março de 2008, outra pista de que se tratava de uma supernova.

 

Os astrônomos deduziram que, se a fonte fosse uma supernova, a grande quantidade de energia emitida permitiria sua classificação como uma das grandes, ou "hipernova". Mas a temperatura observada era da ordem de 700º C, comparável à do planeta Vênus. O que poderia estar absorvendo a luz e dissipando o calor? A resposta que encontraram foi: poeira.

 

Com base nos dados do Spitzer, a equipe calculou que a estrela original provavelmente teria pelo menos 50 vezes a massa do Sol. Essas estrelas normalmente liberam nuvens de poeira à medida que envelhecem.

Esta estrela em particular deve ter produzido pelo menos duas dessas ejeções, uma 300 anos antes da explosão e a outra, apenas quatro anos antes do fim. A poeira de ambas as emissões se manteve em torno da estrela, em duas camadas, uma mais externa e outra, mais interna.

 

"Acreditamos que a camada externa deve ser quase opaca, e por isso absorveu toda a luz que passou pela camada interna, convertendo-a em calor", disse Kochanek.

Mais conteúdo sobre:
supernova astronomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.