Faculdade inicia pesquisa sobre tratamentos de câncer

O Centro de Estudos e Pesquisas de Oncologia e Hematologia da Faculdade de Medicina da Fundação do ABC (CEPHO-FMABC) inicia na próxima segunda-feira cinco novos protocolos de pesquisa. Ao todo são mais de 50 vagas. Os tratamentos são totalmente gratuitos e abrangem câncer de mama, leucemia mielóide aguda e linfoma folicular. Câncer de Mama I Serão abertos três estudos para o câncer de mama. Os dois primeiros são tratamentos hormonais destinados a mulheres em menopausa e que devido ao volume do tumor têm indicação de quimioterapia antes da cirurgia. As pesquisas são diferentes, mas têm o mesmo objetivo: verificar a eficácia das drogas utilizadas na redução do tumor. Nos dois casos o tratamento tem duração de quatro meses e as vantagens são a eliminação da quimioterapia pré-cirurgia através do tratamento hormonal e, conseqüentemente, redução dos inúmeros efeitos colaterais que ela causa. Em uma das pesquisas as mulheres tomarão um comprimido diário e na outra será aplicada droga injetável uma vez por mês. Podem participar mulheres com câncer de mama e indicação cirúrgica, na menopausa, sensíveis ao tratamento hormonal (receptoras para estrógeno positivo) e sem tratamento anterior. Câncer de Mama II O terceiro estudo sobre câncer de mama é voltado para pacientes que não tiveram sucesso no tratamento convencional (quimioterapia, radioterapia e cirurgia), com progressão da doença. O estudo visa a testar a eficácia de drogas já disponíveis no mercado, mas em esquemas terapêuticos diferentes. Podem participar mulheres com câncer de mama, que só tenham feito um tratamento anterior de quimioterapia - com utilização da droga Antraciclina (tratamento padrão) - e com progressão da doença. Leucemia Mielóide Aguda Tratamento via oral voltado para pacientes acima de 70 anos, que têm muitas complicações com a quimioterapia devido à sua agressividade. O estudo objetiva controlar a doença e manter a qualidade de vida do paciente através de medicação ainda não disponível no mercado, mas com resultados preliminares satisfatórios. O tempo de tratamento é indefinido, de acordo com a resposta do paciente. A doença é letal e trata-se de um câncer no sangue. Células cancerígenas passam a se multiplicar na medula óssea, causando queda na hemoglobina e nos glóbulos brancos. O paciente passa a ter anemia e infecções severas. Pacientes com a doença e nessa faixa etária só têm disponíveis hoje quimioterapia e uma outra medicação, também via oral. A droga em estudo será comparada ao tratamento convencional. Podem participar homens e mulheres com mais de 70 anos, com diagnóstico recente de leucemia mielóide aguda e sem tratamento anterior. Linfoma Folicular A pesquisa sobre linfoma folicular será randomizada, isto é, os pacientes serão separados em dois grupos por sorteio. Um grupo passará pelo tratamento convencional e receberá quatro doses da droga Mabithera no primeiro mês de tratamento e mais quatro doses no segundo mês. O outro grupo receberá uma dose da droga a cada dois meses, durante cinco anos. A doença é incurável, porém controlável. O objetivo é verificar se o controle através do tratamento mais prolongado (cinco anos) traz mais benefícios em relação ao tratamento convencional (dois meses). O tratamento é totalmente gratuito somente para o grupo em estudo por cinco anos. O grupo do tratamento convencional terá todo o acompanhamento médico e multiprofissional gratuito, porém as doses de Mabithera terão de ser adquiridas na rede particular. O linfoma folicular é um câncer sanguíneo que atinge o sistema linfático e gera o aparecimento de gânglios em várias partes do corpo, como nas axilas e regiões cervical e inguinal. Para participar do estudo o paciente não pode ter recebido tratamento anterior e ter condições de adquirir o Mabithera, caso seja incluído no grupo de tratamento convencional. SEGURANÇA Antes de iniciar qualquer pesquisa, o Centro de Estudos e Pesquisas de Oncologia e Hematologia da FMABC submete o protocolo ao Comitê de Ética e Pesquisa da Faculdade de Medicina da Fundação do ABC. Quando aprovado, toda a documentação é encaminhada para análise e aprovação da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP), em Brasília. ?Somente após parecer positivo da CONEP começamos a triagem dos pacientes que poderão participar da pesquisa. Esse procedimento é extremamente relevante, pois garante que os estudos são conduzidos com seriedade?, explica Dr. Hélio Pinczowski, Diretor Executivo do CEPHO-FMABC. INSCRIÇÕES As vagas são limitadas. Para se inscrever na triagem os interessados devem ter confirmado o diagnóstico da doença. A triagem inicial será feita por telefone e, se o paciente se enquadrar nos perfis das pesquisas, será agendada consulta inicial para sua inclusão ou não no estudo. O atendimento é feito no Centro de Estudos e Pesquisas de Oncologia e Hematologia da Medicina ABC (Av. Príncipe de Gales, 821 - Santo André - SP). Interessados devem ligar no telefone (11) 4993-5491, de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h.

Agencia Estado,

31 de março de 2006 | 15h25

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.