Roskosmos/AP/Divulgação
Roskosmos/AP/Divulgação

Falha nos computadores causou perda de sonda russa Phobos-Grunt

Declaração derruba versão de que falha teria sido causada por radares americanos

Efe,

31 de janeiro de 2012 | 15h21

 Uma falha nos computadores de bordo causou a perda da sonda russa Phobos-Grunt, que tinha como destino Fobos, uma das luas de Marte, informou nesta terça-feira, 31, o diretor da agência espacial russa (Roscosmos), Vladimir Popovikin.

O chefe da Roscosmos revelou que conforme a comissão investigadora a causa "mais provável" da falha registrada em novembro foi uma "ação local de partículas pesadas do espaço cósmico".

"Dois equipamentos do sistema de computadores de bordo reiniciaram, o que os deixou em regime de máxima economia de energia e à espera de ordens", disse Popovikin, citado pela agência oficial "RIA Novosti", em reunião sobre o desenvolvimento do setor espacial.

As declarações de Popovkin jogam por terra a versão divulgada anteriormente por analistas russos de que a falha foi causada por emissões de radares americanos.

Logo após o lançamento, em oito de novembro, a sonda russa ficou na órbita terrestre ao invés de empreender sua viagem a Marte, sem o controle das estações terrestre de rastreamento.

Duas semanas depois, a Agência Espacial Europeia conseguiu receber sinais da Phobos-Grunt, um acontecimento que fez renascer as esperanças de recuperar o aparelho.

Porém, todos os esforços para recuperar a sonda foram em vão e o aparelho, com 13,5 toneladas, se chocou contra as camadas mais altas da atmosfera terrestre em 15 de janeiro.

Segundo a Roscosmos, os restos da sonda que não queimaram ao entrar na atmosfera caíram ao sul do Pacífico, a 1 mil quilômetros do litoral do Chile.

A Phobos-Grunt deveria completar uma missão de 34 meses que incluía o voo a Fobos, a aterrissagem em sua superfície e, finalmente, o retorno à Terra de uma cápsula com amostras do solo do satélite marciano.

O projeto, com custo de US$ 170 milhões, tinha como objetivo estudar a matéria inicial do sistema solar e ajudar a explicar a origem de Fobos e Deimos, a segunda lua marciana, assim como dos demais satélites naturais do sistema solar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.