Arquivo/AE
Arquivo/AE

Falta de confiança em vacina pode explicar baixa adesão de grávidas

Apenas 50% das gestantes procuraram os postos de vacinação contra a gripe suína desde março

Agência Brasil

19 Abril 2010 | 08h50

A baixa procura, por grávidas, da vacina contra a influenza A (H1N1) (gripe suína) pode ser explicada pela falta de confiança dos médicos obstetras no produto. A opinião é de Rosana Ritchmann, médica infectologista do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo.

 

Veja também:

linkEstados não atingem meta de vacinação

linkFarmácia Popular já conta com remédio contra gripe suína  

especialESPECIAL: Entenda a gripe suína 

 

"Ainda há certa resistência não só da paciente. A gestante vai se reportar ao médico de confiança dela. E se ele também estiver inseguro com relação à vacinação, seguramente ela (a gestante) não vai procurar os postos para se vacinar", afirmou Rosana.

 

Segundo o Ministério da Saúde, desde o dia 22 de março até a manhã de quarta-feira, 14, 51,1% de grávidas tinham procurado os postos de vacinação. O número preocupa o ministério, já que as grávidas são um dos grupos mais vulneráveis à doença: uma em cada três mortes ocorridas neste ano no Brasil está relacionada às gestantes. No ano passado, dos 2.051 óbitos registrados em decorrência da doença, 189 foram de grávidas. Só no ano passado, no Hospital Emílio Ribas, onde Rosana trabalha, uma em cada dez gestantes morreu por causa da gripe H1N1.

 

"É muita coisa em termos de risco de morte para a gestante, e tudo o que a gente já conhece de vacina de influenza por outra cepas, não pelo H1N1, nos dá total segurança de indicar a vacina em qualquer período da gestação", alertou Rosana.

 

Segundo ela, a gripe H1N1 ainda não é totalmente conhecida e é impossível determinar, por exemplo, se uma nova onda da doença poderia ocorrer ainda este ano. Mas estar vacinado contra a gripe é uma garantia de prevenção. "Se você se protegeu este ano e vai tomar no ano que vem, você terá um título de anticorpos, uma quantidade de proteção melhor ainda. O fato de, neste ano, vir ou não a segunda onda da doença não quer dizer que o pessoal tenha que eventualmente se arrepender de ter se vacinado. Muito pelo contrário. Você estará protegido", afirmou.

 

A médica ressaltou que textos que são reproduzidos na internet e que induzem a população a não se vacinar não devem ser levados em conta. "Não conseguimos entender porque pessoas vão abrir mão de uma prevenção, que é segura, versus um possível tratamento em que a gente coloca várias interrogações. Tínhamos Tamiflu no ano passado? Tínhamos. Morreu muita gente? Morreu. Teve muito caso que foi tratado adequadamente e perdemos o paciente. Com crianças, não sabíamos a dose adequada. E o mundo não sabe porque é uma coisa muito nova. Mas a prevenção é a melhor medida".

 

Até o dia 23 de abril, os postos receberão as gestantes, os doentes crônicos, as crianças de 6 meses a menos de 2 anos e jovens de 20 a 29 anos para se vacinar contra a gripe.

 

Mais conteúdo sobre:
gripe suina gripe A vacinaçao gravidas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.