Reprodução
Reprodução

Faltam vacinas de sarampo na rede particular paulistana

O imunizante está disponível nos postos de saúde da rede pública. Quadro nas particulares foi confirmado à reportagem pela Associação Brasileira de Clínicas de Vacina (ABCVAC)

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2019 | 03h00

Com o surto de sarampo que atinge a capital e outras cidades do Estado, as vacinas tríplice viral e tetraviral (as duas que protegem contra a doença) estão em falta na rede particular. O imunizante está disponível nos postos de saúde da rede pública. O Estado entrou em contato com sete clínicas de vacinação da capital e da região metropolitana e foi informado por todas elas que a vacina está em falta, sem previsão de reabastecimento. O quadro foi confirmado à reportagem pela Associação Brasileira de Clínicas de Vacina (ABCVAC).

De acordo com a entidade, com o aumento de casos e a “corrida” aos centros de vacinação para imunização de adultos e crianças, “quase não há mais doses da vacina de sarampo nas clínicas de São Paulo”. Na maioria das clínicas paulistanas contatadas pela reportagem, o insumo acabou há cerca de um mês.

Para Entender

Surto de sarampo: saiba mais sobre sintomas, contágio e tratamento

Quais são os sintomas? Existe tratamento? A doença pode matar? Clique aqui e descubra tudo sobre o sarampo, doença extremamente grave e contagiosa.

A associação informou que não há previsão para o recebimento de número expressivo de doses suficiente para suprir a demanda. “Há uma expectativa de chegada de novas doses nas próximas semanas, mas tendo em vista essa grande demanda, ainda será uma quantidade insuficiente”, disse a entidade, em nota.

Um dos principais fornecedores da vacina para a rede privada, o laboratório MSD informou que, embora o processo de produção dos imunizantes esteja normal, “o mercado está vivenciando um pico de demanda relacionado com um surto global de sarampo”.

A farmacêutica informou que, somente no primeiro semestre deste ano, o número de doses vendidas à rede particular brasileira saltou 392% no caso da tríplice viral e 215% no da tetraviral em comparação com o mesmo período do ano passado.

A empresa afirmou que tem realizado “esforços adicionais para priorizar o atendimento da demanda atípica”. Entre as ações, a empresa destacou uma remessa extra de 20 mil doses enviadas ao Brasil e liberadas para comercialização no dia 19 de agosto. “Desde 20 de agosto iniciamos a distribuição para clínicas e distribuidores no Brasil desse lote extra de doses”, disse a farmacêutica.

Remessas

 De acordo com a MSD, estão confirmadas outras remessas adicionais da tríplice viral ao Brasil para novembro e dezembro. Gratuita no Sistema Única de Saúde (SUS), a vacina contra o sarampo custa nas clínicas particulares de R$ 100 a R$ 250, segundo a ABCVAC. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.