EFE/EPA/Ministry of civil aviation
EFE/EPA/Ministry of civil aviation

Exame descarta coronavírus em família brasileira nas Filipinas

Casal e filho foram submetidos à contraprova e seguem em isolamento; Brasil tem três casos suspeitos do vírus - pacientes estão internados em Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2020 | 05h56
Atualizado 30 de janeiro de 2020 | 11h45

SÃO PAULO - Exames laboratoriais mostraram que a família brasileira internada nas Filipinas não tem o coronavírus. A informação foi antecipada pelo telejornal Hora 1, da TV Globo, e confirmada ao Estado pelo Ministério das Relações Exteriores no fim da manhã desta quarta-feira, 29.

O Itamaraty informou, em nota, que o casal e o filho de 10 anos  foram submetidos a um exame de contraprova para descartar definitivamente a presença do vírus que atinge a China, espalhou-se para outros países e já deixou mais de 100 mortos e 5 mil infectados

A família continuará isolada em um hospital de Palawan, a 800 quilômetros da capital Manila, até a divulgação do resultado da contraprova.

Na segunda-feira, 27, o Itamaraty informou que  fez contato com a família e que o casal e o filho não apresentavam sintomas da doença, mas aguardavam resultados de testes de infecção. Eles estiveram recentemente Wuhan, na China, epicentro do surto de coronavírus. 

Casos suspeitos no Brasil

Nesta terça-feira, 28, o Ministério da Saúde informou que está investigando três casos suspeitos de coronavírus no Brasil - em Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre. São os primeiros registros oficiais de possíveis infecções no País. Com isso, o governo decidiu elevar o alerta de nível 1 para 2 (em uma escala até 3), que significa "perigo iminente" da doença.

No nível 2 de alerta, há isolamento de casos suspeitos e pessoas que tiveram contato com pacientes sob investigação são monitoradas. O governo também pode requisitar "bens e serviços" de pessoas físicas e empresas no atendimento a emergências. No nível 3, de emergência em saúde pública, pode haver até contratação emergencial de profissionais. 

O caso de BH é de uma estudante brasileira de 22 anos, que esteve em Wuhan, cidade chinesa considerada o epicentro do vírus, e voltou ao País na sexta-feira, 24. Na segunda, 27, ela foi ao posto de saúde com dificuldade respiratória e febre. 

"Apresentava sintomas compatíveis, mas acredito que se trate de resfriado, uma gripe", disse ao Estado Dario Brock Ramalho, subsecretário de Vigilância Sanitária de Minas.

Ela está em ala isolada no Hospital Eduardo de Menezes, na zona oeste da cidade, e tem quadro estável. 

Outro caso é de um professor de Inglês gaúcho, de 40 anos, que chegou ao Brasil na sexta. Ele buscou o serviço de saúde, com febre, em São Leopoldo, Grande Porto Alegre, e está em isolamento. Ele é morador de Kunming, a cerca de 1,5 mil quilômetros de Wuhan. O ministério não deu informações sobre o registro do Paraná.

'Brasil preparado'

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que o governo "está preparado" para detectar o vírus.

"Não é um sistema que está sendo preparado agora. Temos o plano de contingência e o que vamos fazer é atualizá-lo." Pela manhã, a pasta informou ter recebido, desde o início do surto do vírus na China, "mais de 7 mil rumores" de infecção e cerca de 120 exigiram verificação das autoridades. 

Após orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que classificou como "elevado" o risco internacional do vírus, o governo federal passou a investigar suspeitas de pessoas vindas de qualquer parte da China. Antes só eram analisados pacientes vindos da região de Wuhan. 

Coronavírus: estamos próximos de uma pandemia? Ouça no podcast Estadão Notícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.