Famílias de servidores dos EUA em Serra Leoa devem deixar país

Contra Ebola, Departamento de Estado dos Estados Unidos ordenou a evacuação dos parentes de trabalhadores da embaixada 

Agências internacionais

14 Agosto 2014 | 18h54

Atualizada às 21h51

Os Estados Unidos começaram a retirar as famílias de funcionários da embaixada de Serra Leoa nesta quinta-feira, 14, citando preocupação com a sobrecarga das instituições médicas com o surto do Ebola. A Organização Mundial de Saúde (OMS) também divulgou que o vírus já matou 1.069 pessoas e infectou outras 1.975 em Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa. A doença parece estar contida no território nigeriano, mas “nos outros lugares, o surto deve continuar por algum tempo”, alertou. 

O Departamento de Estado já havia retirado diplomatas da Libéria na semana passada. O presidente Barack Obama telefonou nesta quinta para os presidentes dos dois países e disse que os Estados Unidos estão comprometidos em trabalhar para conter o surto de Ebola e expressou condolências pelas mortes.

Ao mesmo tempo em que as autoridades americanas dizem que as medidas representam uma “abundância de precaução”, elas evidenciam a escalada da crise. A Guiné declarou emergência de saúde pública, a exemplo do que já foi feito por Serra Leoa e Libéria - atendendo solicitação da OMS, que considerou o surto uma emergência sanitária mundial. “Caminhões com suprimentos médicos estão a caminho de todas as localidades na fronteira”, disse o presidente da comissão de Ebola da Guiné, Aboubacar Sidiki Diakité. Até 3 mil pessoas esperam autorização de entrada em 17 pontos na tríplice fronteira. “Qualquer doente será isolado imediatamente. As pessoas serão acompanhadas. Não podemos correr o risco de deixar qualquer um entrar sem as devidas verificações”, disse.

Navios vindos de Guiné, Serra Leoa e Libéria também não têm mais permissão para entrar no porto de Abidjã, na Costa do Marfim. No Senegal, o medo da doença chegou ao ponto de um jornalista do diário La Tribune, de Dacar, ser condenado a 1 ano de prisão por informar cinco falsos casos de Ebola. A pena foi convertida em uma multa de cerca de R$ 5 mil.

Soro experimental. A Nigéria também já declarou emergência nacional. Até esta quinta-feira, havia 10 infecções comprovadas e 4 mortes. Na quarta-feira, o país se tornou o primeiro da África a receber doses do soro experimental ZMapp, depois do tratamento obter o “aval ético” da OMS. Nesta quinta, o missionário americano Kent Brantly, primeiro a receber o medicamento no mundo e atualmente internado em Atlanta (EUA), publicou mensagem no Facebook do grupo de evangelização Samaritan’s Purse em que afirma estar “muito bem”. Ele ainda espera obter alta “muito em breve”. 

Mais conteúdo sobre:
Ebola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.