Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Moderna estabelece mínimo de R$170 por dose da vacina contra covid-19

Unidade do imunizante vai custar de US$32 a US$37 em contratos de quantidades menores, mas os valores sofrerão queda em acordos de fornecimento maiores

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2020 | 17h51

O laboratório Moderna Inc anunciou na quarta-feira, 5, que cada dose de sua candidata a vacina contra a covid-19 custará de US$32 a US$37 - de R$170 a R$196 - em contratos de quantidades menores. 

Atualmente, há 165 imunizações em desenvolvimento, 26 destas em testes com seres humanos e 139 em ensaios iniciais, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). À medida que a corrida para desenvolver as vacinas contra o novo coronavírus atinge um estágio decisivo, com vários candidatos em fase avançada de estudo, os preços estão sob crescente observação.

"Nós seremos responsáveis ​​pelo preço bem abaixo do valor da vacina durante a pandemia ", disse o diretor-executivo da Moderna, Stéphane Bancel em videoconferência, acrescentando que acordos de maior volume terão preço mais baixo por unidade.

Também nesta quarta-feira, os Estados Unidos fecharam contrato bilionário para compra da imunização em desenvolvimento pela Johnson & Johnson, em que cada dose saiu por US$10 (R$53). 

No acordo do governo norte-americano com a Pfizer e a BioNTech para imunizar 50 milhões de americanos, o valor unitário foi de US$19,50 (R$103). O preço é bem menor frente ao anunciado pela Moderna, cuja imunização também demanda duas doses.

A Moderna, que não possui medicamentos no mercado, recebeu quase US$1 bilhão (R$5,3 bilhões) da Casa Branca sob um plano para acelerar desenvolvimento de vacinas. Não houve um acordo de fornecimento com o país.

A farmacêutica também afirmou estar em conversa com vários países para vendas de sua candidata a vacina, acrescentando que já recebeu cerca de US$ 400 milhões (R$2,1 bilhões) em depósitos para eventuais fornecimentos.

Na semana passada, a empresa anunciou o início de um teste com 30 mil pessoas na fase 3 de estudos - a última antes do processo de regulamentação. A farmacêutica afirmou que seu imunizante pode estar pronto para uso em massa até o final deste ano. 

A candidata a vacina da Moderna está entre as seis que avançaram para a fase final de testagem. Imunização eficaz é uma ferramenta considerada essencial para deter a pandemia que já causou 700 mil mortes no mundo.

No último mês, a farmacêutica expressou planos de colocar um preço em seu imunizante que garanta amplo acesso. Também declararam que não pretendem realizar esses últimos testes fora do Estados Unidos. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.