Farmacêuticas dos EUA desenvolverão vacina contra tabagismo

GlaxoSmithKline pagará US$ 40 mi para a Nabi desenvolver a 'NicVAX', que tratará a dependência à nicotina

Efe,

16 de novembro de 2009 | 16h12

As farmacêuticas GlaxoSmithKline (GSK) e Nabi Biopharmaceuticals informaram nesta segunda-feira, 16, que chegaram a um acordo para desenvolver uma vacina para o tratamento da dependência à nicotina, que evite as recaídas dos fumantes.

 

A GSK pagou US$ 40 milhões a Nabi, que trabalha no desenvolvimento de uma vacina chamada "NicVAX", e em troca receberá uma opção para desenvolver um fármaco de segunda geração, como parte de uma operação avaliada em US$ 500 milhões, informaram ambas as companhias em comunicado distribuído em Nova York.

 

A vacina procura que o sistema imunológico do paciente desenvolva anticorpos necessários que rejeitem a nicotina e bloqueiem seus efeitos.

 

A farmacêutica Nabi, uma empresa americana com sede em Rockville, em Maryland, está na última fase de um estudo sobre essa vacina e planeja continuar as pesquisas. "Se esta for concluída com sucesso, a britânica GSK será responsável por desenvolver e comercializar o remédio", indicou o comunicado.

 

As duas farmacêuticas lembraram na nota que o tabaco é a principal causa de mortes previsíveis no mundo e que o tabagismo é uma epidemia global que afeta 1,2 bilhões de fumantes, que a cada ano acaba com a vida de 5,4 milhões de pessoas.

Tudo o que sabemos sobre:
vacinatabagismoGlaxo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.